OPERAÇÃO

Senador tinha o montante de R$ 15 mil próximo às nádegas, diz relato da PF

Havia outros R$ 18.150 na cueca, chegando ao total de R$ 33,1 mil. Chico Rodrigues era vice-líder do governo no Senado até a manhã desta quinta-feira (15/10)

Sarah Teófilo
postado em 15/10/2020 18:25 / atualizado em 15/10/2020 18:39
 (crédito: Edilson Rodrigues)
(crédito: Edilson Rodrigues)

Trechos do relatório da Polícia Federal sobre a operação que realizou busca e apreensão na casa do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) apontam que o parlamentar tinha R$ 15 mil “no interior de sua cueca, próximo às suas nádegas”. O dinheiro foi descoberto quando o senador pediu para ir ao banheiro e um delegado da PF “percebeu que havia um grande volume, em formato retangular, na parte traseira das vestes do senador”.

Depois que o dinheiro foi localizado, foi apresentado ao escrivão da PF para ser apreendido. Na sala da casa do senador, onde estava sendo realizado o trabalho cartorário da PF, o parlamentar foi indagado se tinha mais alguma quantia em espécie. Quando foi questionado pela terceira vez, segundo informações da corporação, “com bastante raiva, o senador Chico Rodrigues enfiou a mão em sua cueca, e sacou mais maços de dinheiro, que totalizaram a quantia de” R$ 17,9 mil.

Diante da insistência do senador em ocultar valores em suas vestes íntimas, os policiais fizeram nova busca e acharam mais R$ 250, chegando a R$ 33,1 mil escondidos na cueca. Antes disso, a PF já havia encontrado em um cofre no armário do quarto do senador R$ 10 mil e U$ 6 mil (o equivalente a cerca de R$ 33.720, com o dólar a R$ 5,62).

As informações estão em decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que determinou o afastamento do senador por 90 dias. A decisão foi encaminhada ao Senado, que deve decidir pela manutenção ou não da cautelar.

Dispensa

O parlamentar foi vice-líder do governo no Senado até o final da manhã desta quinta-feira (15), quando foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a sua dispensa que, segundo documento, ocorreu por pedido do próprio senador. Ele ocupava o cargo desde fevereiro do ano passado.

Na última quarta-feira (14), o senador foi alvo de busca e apreensão no âmbito da Operação Desvid-19, que apura esquema de desvio de verbas públicas oriundas de emendas parlamentares que eram destinadas ao combate à pandemia da covid-19 em Roraima, no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação