Segundo turno

Disputas acirradas por prefeituras devem marcar 2° turno das eleições

Pesquisas de três capitais apontam para percentual de intenção de voto semelhantes entre os candidatos. O pleito será realizado em 57 municípios do país

Edis Henrique Peres*
Bruna Pauxis*
postado em 24/11/2020 17:31 / atualizado em 24/11/2020 17:36
 (crédito: FABIO RODRIGUES-POZZEBOM/ABR        )
(crédito: FABIO RODRIGUES-POZZEBOM/ABR )

No próximo domingo (29/11) acontece o 2° turno das eleições, realizado em 57 municípios que possuem mais de 200 mil eleitores. A segunda rodada de ida às urnas é realizada quando nenhum dos candidatos alcança a maioria absoluta dos votos válidos (metade dos votos mais um). Segundo especialistas, para próxima etapa do pleito os eleitores estão mais focados na resolução dos problemas locais de suas cidades.

Para Ricardo Ismael, professor do departamento de Ciência Política da PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), o que predomina neste segundo turno são às questões locais dos municípios. “O segundo turno é uma continuação do primeiro turno, mas com alguma diferenças. O eleitor agora possui uma comparação maior entre os candidatos e, inclusive, pode fazer uma melhor escolha. Isso porque os concorrentes possuem mais tempo para apresentar suas ideias e projetos”, explica.

Embora Ismael cite que alguns aspectos nacionais possuam influência, como o caso de João Alberto Silveira Freitas, negro de 40 anos que foi morto no Carrefour por seguranças do mercado em Porto Alegre, na quinta-feira (19/11), e teve grande repercussão nas redes sociais e na mídia, o especialista diz que os eleitores estão mais focados na resolução dos problemas locais das cidades. “A repercussão dos casos nacionais é limitada, afinal os eleitores estão decidindo quem vai governar pelos próximos quatro anos a sua cidade e esse é o elemento determinante na hora de escolher em quem votar”.

O especialista ressalta que o presidente Jair Bolsonaro se manteve distante das declarações de apoio aos candidatos nesta segunda fase das eleições e destaca que os eleitores possuem mais tempo de avaliar os candidatos. “Algumas características gerais podem ser exemplificadas, como a tendência de reeleição dos prefeitos bem avaliados nas cidades, isso em parte porque as campanhas eleitorais deste ano tiveram um tempo menor e foram diferenciadas devido à pandemia. Agora, no segundo turno, os candidatos possuem mais espaço e tempo de exposição”, pontua.

Pesquisas projetam disputas acirradas para o segundo turno das eleições municipais. No país, 18 capitais e outras 39 cidades se preparam para decidir seus líderes. A partir desta terça-feira (24), os eleitores não podem ser presos. A medida dura até 48 horas após a votação. São Paulo, Belém e Recife são algumas das capitais com disputa apertada entre os candidatos. Veja abaixo o que dizem as pesquisas:

São Paulo

Segundo pesquisa da Datafolha, divulgada pela Folha de S.Paulo nesta terça (24), para o segundo turno na capital, o candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), continua na frente na disputa pela Prefeitura de São Paulo, mas viu sua vantagem para Guilherme Boulos (PSol) diminuir. O tucano tem 55% dos votos válidos, contra 45% do candidato do PSol. Em comparação com a última pesquisa realizada pelo mesmo instituto, Boulos saltou de 42% para 45%, enquanto Covas caiu de 58% para 55%. Ainda de acordo com a pesquisa, 9% declararam que votarão em branco ou nulo, enquanto 3% se disseram indecisos.

Belém

A pesquisa do Ibope, encomendada pela TV liberal e publicada no sábado (21) mostra que, em relação aos votos válidos — com exclusão de brancos ou nulos — a disputa na capital paraense está acirrada. Dos 602 eleitores entrevistados na cidade, entre os dias 18 e 20 de novembro, 52% das intenções de voto são para Edmilson (PSol), enquanto o Delegado Federal Eguchi (Patriota) soma 48%. A pesquisa tem margem de erro de 4 pontos percentuais. 

Recife

Na capital pernambucana, a disputa para prefeitura é entre João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT). Na primeira rodada de pesquisa do Ibope, Arraes lidera as intenções de voto, com 45%, enquanto João Campos soma 39%. Considerando a margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos, os candidatos estão basicamente em um empate no limite da margem. A próxima rodada da pesquisa está prevista para ser publicada nesta quarta-feira (25).

*Estagiários sob a supervisão de Andreia Castro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE