Rio de Janeiro

Caso Henry Borel: Dr. Jairinho tem salário suspenso pela Câmara do Rio

Vereador já afastado do Solidariedade teve vencimentos suspensos após prisão preventiva; caso prisão seja mantida, será também automaticamente afastado do mandato; entenda

Fernanda Strickland*
postado em 08/04/2021 15:24 / atualizado em 08/04/2021 15:25
 (crédito: Reprodução/TV Globo)
(crédito: Reprodução/TV Globo)

Preso preventivamente, nesta quinta-feira (08/04), o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) teve seu salário automaticamente suspenso pela Câmara do Rio de Janeiro, de acordo com o regimento interno da Casa. Ele ficará automaticamente afastado do exercício do mandato caso tenha a prisão, inicialmente prevista por 30 dias, estendida; já que o regulamento da Câmara prevê essa medida a partir do 31º dia de ausência do vereador. Se o afastamento for maior do que 120 dias, um suplente assumirá a cadeira.

Em nota oficial, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro informou: "atenta à gravidade da prisão do Vereador Dr. Jairinho e, como já declarado, consternada com a morte do menino Henry, se reunirá hoje para debater a situação do parlamentar, com a responsabilidade que o caso exige. Embora inexista até o momento representação formulada no Conselho de Ética, será dada toda celeridade que o caso exige. Em razão da prisão, o vereador tem sua remuneração imediatamente suspensa e fica formalmente afastado do mandato a partir do trigésimo primeiro dia, na forma do art. 14 do Regimento Interno."

Em paralelo a suspensão do salário, o Conselho de Ética da Câmara se reúne, na tarde desta quinta, para discutir o possível afastamento imediato do vereador. Membro do colegiado, a vereadora Teresa Bergher (Cidadania) vai pedir que o parlamentar seja afastado para a continuidade das investigações. “Precisa ser afastado imediatamente. Pela imagem da casa, pela credibilidade de cada um de nós vereadores e por respeito a esta criança vítima de um cruel assassinato e a toda a população que representamos”, disse a parlamentar.

O deputado federal Paulinho da Força se pronunciou sobre o caso nas redes sociais. “Foi encaminhado ao Conselho de Ética um pedido de expulsão sumária do vereador Dr. Jairinho solicitado pela Comissão Executiva Nacional de Solidariedade. O vereador já estava afastado e licenciado do partido antes do anúncio de sua prisão realizada hoje. Como pai de cinco filhos, sendo dois ainda crianças, e avô de quatro netos, repudio qualquer tipo de violência contra crianças e adolescentes. Espero que os fatos sejam apurados e esclarecidos o mais rápido possível. A sociedade merece resposta”, declara em nota.

*Estagiária sob supervisão de Ed Wanderley

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE