CASO COVAXIN

Luis Miranda pede que CPI solicite a prisão de Onyx Lorenzoni

Parlamentar alega que o ministro está tentando coagir seu papel de testemunha. Ele vai depor à comissão nesta sexta-feira (25/6)

Renato Souza
postado em 24/06/2021 14:36 / atualizado em 24/06/2021 14:39
 (crédito: Alan Santos/PR - 3/4/20)
(crédito: Alan Santos/PR - 3/4/20)

Em ofício enviado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19, o deputado federal Luis Miranda solicita que o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), solicite a prisão do ministro chefe da Secretária-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, por ameaça de testemunha. O documento foi protocolado nesta quinta-feira (24/6). Na solicitação, o congressista também solicita que a PF seja instada a investigar se ordem para coação partiu do presidente Jair Bolsonaro, que estaria se sentindo "traído".

Miranda denuncia a existência de um esquema de fraudes na aquisição de vacinas no Ministério da Saúde. De acordo com ele, o irmão Luis Ricardo Fernandes, chefe da divisão de importação da pasta, foi pressionado pelo governo a liberar com celeridade a autorização de importação da vacina indiana Covaxin.

O contrato de aquisição do imunizante foi realizado com preço 1000% maior que o valor inicial. O custo também foi superior aos referentes às vacinas de outras empresas, como Pfizer e Oxford. No entanto, até hoje, a Covaxin não faz parte do cronograma do Plano Nacional de Imunização.

Irritado com as acusações, Onyx convocou um comunicado à imprensa, e disse que Luis Miranda "vai pagar", tanto na Justiça quanto por ações do governo. Ele anunciou que o Executivo solicitaria investigações contra o parlamentar e o irmão dele na Polícia Federal, na Controladoria-Geral da União (CGU) e em outros órgãos. Miranda, que vai prestar depoimento à CPI, encarou a fala como ameaça, e pede que ocorra penalização.

 

https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2021/06/4933286-planalto-determina-a-pf-que-investigue-denuncias-de-deputado-luis-miranda.html

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE