Kalil diz que Bolsonaro não o atende e cita 'pão de queijo' pago em visita

Prefeito de Belo Horizonte relatou dificuldades para falar com o presidente da República: "Descortesia"

Estado de Minas
postado em 24/06/2021 17:38
 (crédito:  Edesio Ferreira/EM)
(crédito: Edesio Ferreira/EM)

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), diz que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não o atende. Ao Estado de Minas, o chefe do poder Executivo municipal apontou o que chamou de “descortesia” do líder do governo federal ante o chefe de uma das mais importantes capitais brasileiras.

“Ele não me atende. Outro dia, ele me citou: ‘ah, mas você persegue o Kalil’. Ele falou assim: ‘porque fechou muito a cidade’. Isso não é motivo para virar inimigo. Eu o recebi duas vezes aqui. Em uma delas, ainda chegou ele e toda a turma com fome. Tive que pagar, do meu bolso, pão de queijo para ele aqui”, afirmou, em entrevista nessa terça-feira (22/6).

A visita com “pão de queijo” citada por Kalil ocorreu quando Bolsonaro ainda tentava se cacifar para disputar a presidência.

Citadas por Kalil na resposta, as críticas de Bolsonaro às medidas de combate à COVID-19 tomadas por Belo Horizonte são corriqueiras. No início deste ano, o presidente chegou a classificar como “irresponsabilidade” a imposição de restrições a atividades econômicas.

‘Sinal de fumaça’

Em abril, Kalil alegou que só conseguiria contato com Bolsonaro se recorresse a um “sinal de fumaça”. À época, ele foi questionado pelo EM, durante entrevista coletiva, sobre possíveis diálogos de governadores e prefeitos com o poder Executivo federal.

“Eu sou prefeito de Belo Horizonte. Se o governador de São Paulo não consegue, se o governador do Rio de Janeiro não consegue...Bolsonaro não me recebe, só se for por sinal de fumaça”, disse.

Apesar das dificuldades relatadas, Kalil garantiu, na entrevista, disposição para se encontrar com o presidente. “Se o Bolsonaro vier, ou me convocar, eu vou lá. Se o Lula vier aqui, será muito bem recebido”, falou, citando também o líder petista que deve rivalizar com o presidente em 2022.

Eduardo Bolsonaro fica sem resposta

Cerca de dois meses atrás, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou tuíte que listava Kalil como “ditadorzinho”. Em dezembro do ano passado, se referiu ao prefeito belo-horizontino como “projeto de ditador”.

As postagens do filho “03” do presidente, no entanto, não receberam resposta do pessedista.

“Já falei sobre isso. Bobo alegre. Está achando que vou responder deputado? São 579. Então, se cada vez que um deputado falar, eu for responder… Não tenho tempo de ficar brincando no Twitter”, explicou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE