CPI DA COVID-19

Advogado da família Bolsonaro, Wassef aparece no Senado em dia de CPI

Wassef, que estava sem máscara, apareceu na sala onde a imprensa acompanha os depoimentos e criticou senadores

Luiz Calcagno
Sarah Teófilo
postado em 25/06/2021 21:57 / atualizado em 26/06/2021 00:22
 (crédito: Sarah Teófilo)
(crédito: Sarah Teófilo)

Às 20h30 dessa sexta-feira (2/6), em meio a dois depoimentos negativos para o governo federal na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, o advogado Frederick Wassef apareceu no Senado. Ele reclamou que estava sendo citado por senadores, e que haveria um pedido de quebra de sigilo contra ele - o que não existe, como mostra o sistema do Senado.

Disse, ainda, estar procurando os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão, e o vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). "Senador Randolfe, venha aqui fora", afirmou. O advogado, que também já prestou serviços a Jair Bolsonaro, afirmou ainda que é citado diariamente na CPI, mas não soube dizer em que contexto seu nome foi dito por parlamentares. De fato, o nome de Wassef foi citado três vezes na sessão desta sexta.

Wassef, que estava sem máscara, apareceu na sala onde a imprensa acompanha os depoimentos, mas saiu rapidamente e se trancou em um banheiro feminino ao lado da sala. Um segurança do Senado, então, pediu para que ele saísse. Ele saiu e falou com a imprensa por cerca de 15 minutos, criticando senadores, os trabalhos da CPI e reforçando que houve quebra de sigilo contra ele - apesar de não existir tal registro. Wassef também citou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

"Eu apenas sou advogado da família Bolsonaro. Nada tenho a ver com Covaxin. Nunca tive a ver com qualquer empresa que forneça vacina ao governo federal. Isto é fraude, armação, uma arquitetura criminosa para denunciação caluniosa. Eu vim procurar senadores que toda hora falam meu nome. Meu nome foi trazido várias vezes à baila no dia de hoje e de forma seguida. Senador Randolfe Rodrigues, estou te convidando. Saia da sala e venha aqui agora", afirmou.

Um servidor do Senado entregou ao advogado uma máscara, que ele demorou a colocar, após vários pedidos de repórteres. E, mesmo assim, constantemente abaixava o equipamento de proteção individual. 

A ida de Wassef ao Senado se dá justamente no dia dos depoimentos do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, que denunciou pressões sofridas por ele para liberar a importação da Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech, representada no Brasil pela empresa Precisa Medicamentos. O governo assinou um contrato com a empresa em fevereiro, de R$1,6 bilhão, para aquisição de 20 milhões de doses.

Os dois relataram terem informado o presidente Jair Bolsonaro sobre as suspeitas, e que o presidente disse que pediria abertura de inquérito na Polícia Federal. Isso não ocorreu, conforme senadores apuraram junto à PF.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE