Caso Covaxin

Luis Miranda confirma que irmão não possui conversas originais do caso Covaxin

O deputado afirmou que o servidor Luis Ricardo Miranda trocou de aparelho celular após a conversa com Bolsonaro em que denunciou o caso, e só salvou prints e áudios que comprovam a pressão sofrida por ele

Israel Medeiros
postado em 20/07/2021 14:01
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, na manhã desta terça-feira (20), que o seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, não possui mais o aparelho de celular que usou nas conversas em que ele alega ter sido pressionado para acelerar a compra da vacina indiana Covaxin. A denúncia foi feita pelos irmãos e reforçada na CPI da covid, no mês passado.

O parlamentar disse que trechos do depoimento do seu irmão à Polícia Federal, na última quarta-feira (14), estão sendo vazados à imprensa para gerar confusão e que as falas estão sendo retiradas de contexto. Ele justificou que, apesar de seu irmão não possuir mais o aparelho original, é possível, nas investigações, investigar os outros dispositivos que se comunicaram com ele.

“Ele tem os prints, as conversas, os áudios e na época ele encaminhou tudo. Vale ressaltar que ele não tem o aparelho que originou as trocas de mensagens que o pressionavam, aquela pressão atípica que ele não recebeu em outros contratos. Mas isso não é crime, eu posso ser um patrão chato e pressionar meus funcionários. O crime está na improbidade administrativa, o crime está na corrupção, se existe, obviamente. É querer pagar uma empresa em um paraíso fiscal que não está no contrato, que em momento nenhum foi citada”, disse Luis Miranda em entrevista ao portal UOL.

O parlamentar afirma que vê, claramente, um crime de improbidade administrativa no caso da Covaxin. “O crime está aí. E para identificar esse crime, independe de ter o aparelho original que trocou as mensagens com pressão ou não. Então isso é uma cortina de fumaça”. Seu irmão teria trocado de aparelho, segundo Miranda, logo após o encontro com Bolsonaro, o que não configura destruição de provas, pois ainda não havia investigação em andamento.

“O aparelho do Luis Ricardo não existe aqui, mas existe o aparelho do Roberto Dias do outro lado, que no momento em que esse aparelho não foi trocado antes de ser acionado na investigação, a partir do momento que há a prova, é destruição de provas”, disse.

E continuou: “O meu irmão trocou um pouco depois de ter ido no presidente. Comprou um aparelho novo, fez todo um backup. Na opinião dele, fazer o backup era dar print, guardar os documentos, ele não tinha noção de que tinha que guardar o aparelho original para validar se aquela mensagem saiu ou não do aparelho dele. Mas em uma investigação, você consegue validar pela outra ponta”, argumentou.

O deputado, por sua vez, afirma ter as conversas das quais participou. Ele ainda afirmou que seu irmão não foi questionado, no depoimento, sobre invoices (notas fiscais) da vacina indiana e nem sobre a existência de uma gravação da reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Miranda revelou que, na PF, seu irmão depôs apenas para o delegado responsável pela investigação, sem a presença de terceiros. O servidor, segundo ele, só foi questionado sobre o encontro com Bolsonaro após quatro horas de depoimento.

O delegado teria anotado nomes de empresas e de funcionários que estariam fazendo pressão pela compra da Covaxin, entre eles o de Roberto Dias — denunciado posteriormente por supostamente pedir propina na negociação — e o do coronel Marcelo Bento Pires, subordinado a Elcio Franco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE