INVESTIGAÇÃO

Moraes diz que PGR não quis se manifestar sobre prisão de Roberto Jefferson

Ministério Público teve prazo de 24 horas para se manifestar, mas preferiu não se posicionar sobre o caso

Renato Souza
postado em 13/08/2021 12:06 / atualizado em 13/08/2021 12:07
 (crédito: Rosinei Coutinho/SCO/STF - 6/2/20)
(crédito: Rosinei Coutinho/SCO/STF - 6/2/20)

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), informou, por meio de seu gabinete, que a Procuradoria-Geral da República (PGR) não quis se manifestar sobre a prisão do ex-deputado Roberto Jefferson. Ele foi preso na manhã desta sexta-feira (13/8) no Rio de Janeiro, pela Polícia Federal.

De acordo com nota publicada pelo magistrado, após receber o pedido de prisão do ex-parlamentar por parte da Polícia Federal, ele encaminhou a demanda para manifestação da PGR, que não respondeu até o momento.

"Informamos que no dia 5 de agosto de 2021, a Polícia Federal enviou para este Gabinete uma representação, requerendo a prisão preventiva de Roberto Jefferson e a realização de busca e apreensão na sua residência. Autuada esta representação como Pet, no mesmo dia 5 de agosto de 2021, ela foi entregue para a Procuradoria-Geral da República, assinando-se um prazo de 24 (vinte e quatro) horas para que pudesse manifestar-se", diz o texto.

"No entanto, até a decisão que decretou a prisão preventiva de Roberto Jefferson e determinou a realização da busca e apreensão, na data de ontem, 12 de agosto de 2021, não havia qualquer manifestação da Procuradoria-Geral da República a esse respeito, embora vencido o prazo", completa a nota.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE