ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS

Preocupados com a crise, governadores defendem diálogo entre os Poderes

Representantes dizem que o Brasil vive momento instável. Chefes do Executivo locais esperam conversar com Bolsonaro, parlamentares e ministros sobre união

Luana Patriolino
postado em 23/08/2021 17:15
 (crédito: Ed Alves/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/D.A Press)

Reunidos em Brasília durante o IX Fórum Nacional dos Governadores, 25 representantes de unidades federativas brasileiras defenderam a união entre os Poderes e a democracia, em repúdio aos ataques cada vez mais ferozes do presidente da República, Jair Bolsonaro, contra as instituições. Os políticos esperam criar um clima apaziguador, com o prevalecimento do diálogo. E definem o momento atual do Brasil como instável e tenso.

O objetivo é criar uma ligação com a Presidência da República, o Supremo Tribunal Federal (STF), a Câmara dos Deputados e o Senado. “Vamos, a partir de hoje, encaminhar os documentos, as cartas e ofícios para, na próxima semana, incluir a nossa preocupação neste momento de instabilidade política pelo qual passamos”, afirmou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

Ibaneis defendeu a harmonia entre os Poderes e disse que o ambiente político do país “não está legal para ninguém”. Ele espera que Bolsonaro esteja aberto ao diálogo. “Pelo nível que o Brasil chegou neste momento das disputas institucionais, acredito que ele tenha essa atenção para com os governadores”, ressaltou.

Na avaliação do governador do Piauí, Wellington Dias (PT), a briga afasta investimentos do país. “Estamos aqui solicitando uma agenda com o presidente da República em que o objetivo é demonstrar a importância do Brasil pelo ambiente de paz e serenidade. (Queremos) Criar um ambiente de confiança que permita a atração de investimentos, novos investimentos, geração de emprego e renda”, destacou.

Crise

Na última sexta-feira (20), o presidente da República, Jair Bolsonaro, protocolou um pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). É a primeira vez na história que um presidente pede a retirada de um ministro da Corte.

Um dos motivos da crise foi Moraes ter autorizado o cumprimento de 13 mandados de busca e apreensão, atendendo a um pedido da subprocuradora Lindôra Araújo, da Procuradoria-Geral da República (PGR). Políticos, cantores, blogueiros e empresários estiveram na mira da Polícia Federal, entre eles, o cantor e ex-deputado Sérgio Reis. Eles teriam feito postagens e vídeos nas redes sociais nos últimas dias para incitar a população a praticar atos criminosos e violentos às vésperas do feriado de 7 de Setembro e pressionar pela derrubada dos ministros do STF.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE