7 de Setembro

Bolsonaro diz que se reunirá com Conselho da República na quarta-feira (8/9)

Conselho, formado por 14 membros, é responsável por orientar presidente da República em momentos de crise

Correio Braziliense
postado em 07/09/2021 13:16 / atualizado em 07/09/2021 14:57
 (crédito: Ed Alves/ CB )
(crédito: Ed Alves/ CB )

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta terça-feira (7/9), que se reunirá com Conselho da República na quarta (8/9). Declaração foi dada durante discurso para manifestantes pró-governo que se reúnem na Esplanada neste 7 de Setembro. “Amanhã estarei no Conselho da República, juntamente com ministros, juntamente com o presidente da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal, com essa fotografia de vocês mostrar para onde nós todos devemos ir", afirmou. 

O Conselho da República tem como responsabilidade assessorar o presidente da República em momentos de crise. Cabe a ele, por exemplo, se pronunciar sobre intervenções federais, como o estado de sítio.

A reunião, porém, não foi confirmada pelos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

O conselho é formado  por 14 membros, sendo eles: o vice-presidente da República, o presidente da Câmara dos Deputados, o presidente do Senado Federal, o líder da Maioria na Câmara dos Deputado, o líder da Minoria na Câmara, o Líder da Maioria no Senado, o Líder da Minoria no Senado, o ministro da Justiças, seis cidadãos brasileiros natos, com mais de 35 anos de idade, sendo dois nomeados pelo Presidente da República, dois eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela Câmara dos Deputados, todos com mandato de três anos, vedada a recondução.

Reação

Em resposta às declarações do presidente, o senador Randolfe Rogrigues (Rede/AP) foi ao Twitter informar que negocia com os líderes partidários a indicação dos nomes pela Casa. A ideia é que ele vá, junto com Omar Aziz (PSD/AM), à reunião do Conselho da República. 

"Adianto ao Presidente que já estamos prontos para tomar seu depoimento. O Senhor quer estar na condição de testemunha ou investigado", acrescentou.

Atos 

Durante a manifestação, Bolsonaro também deu um ultimato ao Supremo Tribunal Federal (STF). "Ou o chefe desse Poder enquadra o seu (ministro) ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos", afirmou Bolsonaro. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE