DIA DA INDEPENDÊNCIA

Bolsonaro manda "recado" para Fux e pede a ele que "enquadre seu ministro"

Durante as manifestações do 7 de Setembro, na Esplanada dos Ministérios, chefe do Executivo exigiu que o Supremo enquadre o ministro Alexandre de Moraes

Jorge Vasconcellos
postado em 07/09/2021 12:16 / atualizado em 07/09/2021 13:27
 (crédito: Ed Alves/ CB)
(crédito: Ed Alves/ CB)

Em discurso para milhares de apoiadores, nesta terça-feira (7/9), na Esplanada dos Ministérios, o presidente Jair Bolsonaro deu um ultimato ao Supremo Tribunal Federal (STF), afirmando que não aceitará que qualquer autoridade tome medidas ou assine sentenças em desacordo com a Constituição. Deixando no ar a possibilidade de adotar uma reação autoritária, ele mandou um recado direto para o presidente da Corte, ministro Luiz Fux.

"Ou o chefe desse Poder enquadra o seu (ministro) ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos", afirmou Bolsonaro, em cima de um caminhão de som, durante as manifestações pró-governo, em frente ao Congresso Nacional. Nesse ponto, ele se referiu a decisões proferidas pelo ministro Alexandre de Moraes, que incluem a prisão de vários bolsonaristas investigados por disseminarem discursos de ódio contra o Supremo nas redes sociais.

"Porque nós valorizamos e reconhecemos e sabemos o valor de cada Poder da República", disse o chefe do Executivo. "Nós todos aqui na Praça dos Três Poderes juramos respeitar a Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede para sair", acrescentou.

O presidente disse que "não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos Três Poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil".

As manifestações pró-governo foram marcadas pela defesa de pautas inconstitucionais, como fechamento do Congresso e do STF e intervenção militar com Bolsonaro no poder.

Após falar na Esplanada, a previsão é que o presidente faça um novo discurso, na tarde de hoje, nas manifestações convocadas para a Avenida Paulista, em São Paulo.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE