Precatórios

Pacheco prevê solução para questão dos precatórios para semana que vem

Presidente do Senado disse que trabalhará para ajudar o governo a resolver o impasse sobre o pagamento das dívidas da União reconhecidas pela Justiça

Jorge Vasconcellos
Israel Medeiros
postado em 16/09/2021 16:49 / atualizado em 16/09/2021 16:55
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse, nesta quinta-feira (16/9), que trabalhará para que, na próxima semana, seja dada uma "solução definitiva" para o pagamento de precatórios — dívidas da União reconhecidas pela Justiça e que preveem, para 2022, uma despesa de R$ 89 bilhões, o equivalente a 65% acima dos R$ 54,7 bilhões deste ano. Para o governo, esses débitos podem inviabilizar a meta de turbinar programas sociais como o Bolsa Família.

Outra preocupação do Executivo é encontrar uma forma de honrar essas dívidas sem ultrapassar o teto de gastos — Emenda Constitucional que limita o aumento das despesas da União à inflação do ano anterior.

Está na Câmara dos Deputados uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) encaminhada pelo governo que propõe o parcelamento dos precatórios. Uma outra PEC, de autoria do vice-presidente da Casa, Marcelo Ramos (PL-AM), prevê a retirada dos precatórios do teto de gastos.

"O importante é que possamos conciliar valores que são fundamentais, que é o fato de que precatório é divida e portanto precisa ser honrado. Ao mesmo tempo, nós precisamos estabelecer um programa social no Brasil para poder atender as pessoas vulneráveis, de baixa renda — as pessoas estão com dificuldade sobretudo em função da pandemia — para poder ter esse socorro do Estado por meio do Bolsa Família ou qualquer programa assemelhado ", disse Rodrigo Pacheco aos jornalistas. E todos esses conceitos em torno do teto de gastos, continuou. "Ou seja: a responsabilidade fiscal é algo que deve imperar no Brasil que nós temos que ter muita atenção. Então é tentar conciliar esses três conceitos”, acrescentou o presidente do Senado.

O parlamentar disse também que esse impasse precisa ser superado para que o Congresso possa voltar as atenções para outros desafios importantes do país. “Nós vamos debruçar na próxima semana para dar uma solução definitiva para a questão dos precatórios. Isso é fundamental que aconteça no Brasil, até para que possamos enfrentar os outros problemas, porque problema é o que não falta. Nós temos que resolver um hoje, outro amanhã e assim sucessivamente”, disse o parlamentar.

Ele falou também sobre a PEC do governo, que propõe o parcelamento dos precatórios. “Ele (o projeto) tem todo o apoio do Congresso Nacional, nós já manifestamos isso, inclusive eu e o presidente (da Câmara) Arthur Lira (PP-AL) estivemos com o presidente (do Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux, inclusive na sede do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que é o órgão que nós estimamos que possa ser um órgão importante para podermos fazer essa conciliação desse crédito e débito que se materializa nos precatórios. Então, há todo o nosso esforço para poder, de alguma forma, dar essa solução”, disse Pacheco.

As discussões em torno dos precatórios haviam sido interrompidas depois que o presidente Jair Bolsonaro fez ameaças ao STF durante as manifestações do 7 de Setembro. Depois da divulgação da "Declaração à Nação", na qual o chefe do governo recuou dos ataques, a equipe econômica tenta retomar o diálogo com a Corte.

Pedido de socorro

Durante um evento virtual realizado na quarta-feira (15), o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu socorro aos presidentes do STF e do Senado. “Como reajo? Socorro, ministro Fux; socorro, presidente Pacheco. Como posso manter nossas obrigações, um aumento no Bolsa Família, que todo mundo sabe que é necessário?”, questionou.

Fux, presente ao evento, ironizou o pedido do titular da Economia. “Paulo Guedes é tão amigo que coloca no meu colo um filho que não é meu”, respondeu e, em nova ironia, disse que o ministro é uma “fábrica de ideias”.

Apesar do clima bem-humorado, Guedes deixou clara a preocupação do governo. “É só um pedido desesperado de socorro, de forma alguma é depositar um filho ou a responsabilidade no seu colo. É só que, quando a gente está desesperado, corre pedindo a proteção aos presidentes dos Poderes, na plena confiança do amor ao Brasil de todos eles, capacidade intelectual e política”, respondeu.

  • Quem se interessar, pode acessar o site para preencher a ficha de inscrição e o questionário socioeconômico e enviar dois vídeos - um que fale sobre a história do candidato e outro sobre como a família irá apoiá-lo na jornada de aprendizagem.
    Quem se interessar, pode acessar o site para preencher a ficha de inscrição e o questionário socioeconômico e enviar dois vídeos - um que fale sobre a história do candidato e outro sobre como a família irá apoiá-lo na jornada de aprendizagem. Foto: Foto ilustrativa
  • Presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em entrevista coletiva.
    Presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em entrevista coletiva. Foto: Pedro Gontijo/Senado Federal
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE