ONU

Em NY, Boris Johnson recomenda vacina e Bolsonaro diz que ‘ainda não tomou’

Presidente brasileiro é único líder entre as maiores economias do mundo que declaradamente não tomou o imunizante. Bolsonaro está nos EUA para participar da Assembleia Geral da ONU

Luana Patriolino
postado em 20/09/2021 17:56 / atualizado em 20/09/2021 18:08
 (crédito: Alan Santos/PR)
(crédito: Alan Santos/PR)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), se reuniu com o premiê britânico Boris Johnson na tarde desta segunda-feira (20/9), em Nova York, onde líderes do G20 participam da Assembleia Geral da ONU. No encontro, Johnson contou que tomou as duas doses do imunizante de Oxford contra a covid-19. Em seguida, se vira para Bolsonaro, que reage afirmando que 'ainda não se vacinou".

Johnson recomendou a vacina da AstraZeneca/Oxford, que é produzida também no Brasil em parceria com a Fiocruz. "É uma ótima vacina. Obrigado, pessoal. Tomem vacinas da AstraZeneca!", diz ele, ao lado de Bolsonaro, que é o único líder entre as maiores economias do mundo que declaradamente não tomou o imunizante.

Em outro momento, o premiê britânico seguia falando de como a vacina de desenvolvimento britânico é boa. "Já tomei duas vezes", afirmou, olhando para Bolsonaro e apontando com o dedo para perguntar se ele tinha tomado também, mas o presidente brasileiro responde que "ainda não".

Pizza na rua

Com as rígidas restrições em locais públicos de Nova York por causa da pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros tiveram a primeira refeição em solo americano no meio da rua, na tarde deste domingo (19/9). O presidente está nos Estados Unidos para participar da 76ª Assembleia-Geral da ONU, que começa na próxima terça (21).

Em imagem publicada pelo ministro do Turismo, Gilson Machado, ele aparece ao lado de Bolsonaro comendo pizza em uma calçada. Com eles estão o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga; da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres; da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos; e o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Com a rigidez em Nova York e por parte da ONU com os protocolos contra a covid-19, a participação de Bolsonaro na Assembleia chegou a ser uma dúvida nos últimos dias. A Organização, no entanto, se pronunciou dizendo que não exigiria comprovante de vacinação de chefes de Estado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE