Mano a Mano

Fernando Holiday se arrepende de apoio dado a Bolsonaro

Convidado da semana no podcast Mano a Mano, o vereador falou sobre racismo, cotas raciais e maioridade penal

Izabella Caixeta - Estado de Minas
postado em 30/09/2021 15:22 / atualizado em 30/09/2021 15:23
Mano Brown recebeu Fernando Holiday em seu podcast
Mano Brown recebeu Fernando Holiday em seu podcast "Mano a Mano" - (crédito: Montagem EM/DA Press)

O vereador de São Paulo Fernando Holiday (Novo) se arrepende do apoio dado a Jair Bolsonaro (sem partido) no primeiro turno das eleições de 2018. Ele fez críticas ao presidente e até mesmo associou a família de Bolsonaro às milícias no Rio de Janeiro. No entanto, apesar das críticas ao atual presidente, Holiday mantém a opinião de que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi benéfico para o Brasil.

O vereador foi o convidado do sexto episódio de Mano a Mano, que foi ao ar nesta quinta-feira (30/09). Produzido pelo Spotify, o podcast é apresentado por Mano Brown. Em tom polêmico, a conversa girou em torno de temas como racismo, cotas raciais e maioridade penal.

Holiday considera que Bolsonaro discursa para uma claque. "É uma minoria radicalizada que está disposta a fazer de tudo para defendê-lo e defender a família dele. Quando eu digo tudo, é tudo mesmo. A gente percebe isso quando vê as estranhas relação dos familiares dele com milicianos do Rio de Janeiro", afirmou.

O vereador também criticou a estratégia da família Bolsonaro de difamar os adversários nas redes sociais. "Eles querem difamar e inventar coisas sobre todos e quaisquer adversários dele e conseguiram isso em alguns casos", completou.

 Ambos negros, filhos únicos e criados sem a presença do pai e criados em comunidades, Mano Brown e Holiday apresentam visões de mundo diferentes e divergentes. A conversa fez jus à proposta do podcast, de debater e manter a diversidade de ideias e pensamentos com profundidade e respeito.

 

Contra as cotas raciais


O rapper perguntou a Fernando sobre pessoas que o inspiraram, e citou Martin Luther King, Barack Obama e a cantora Billie Holiday, mencionando sua música “Strange Fruit”. A música, fruta estranha em tradução livre, é de suma importância na luta pelos direitos civis negros nos Estados Unidos e fala sobre o linchamento e enforcamento e negros no sul do país.

 A essa declaração, Mano Brown respondeu de pronto. “Acredito que você vai ser um grande político, mas acredito também que você vai mudar, porque não é possível amar Billie Holiday, se emocionar com negros enforcados e ser contra cotas. Não é questão de misericórdia ou de assumir que é inferior, são números, são dados, são corpos, vidas negras aos montes”.

 O vereador então admitiu que o racismo existe e explica seu posicionamento sobre as cotas raciais. Na visão do parlamentar, as cotas fazem parte de uma política de inclusão de má qualidade. Segundo ele, a cota social seria mais justa.

 Outro ponto controverso foi o debate sobre a maioridade penal, que Fernando entende que a idade não define a capacidade ou não de uma pessoa cometer um crime e defende que seja reduzida.

 Mano Brown destaca que medidas extremas criminalizaria ainda mais os jovens aos quais os diretos já são negados e perguntou como o vereador lida com as contradições de seu discurso e Fernando respondeu “Já me debrucei sobre isso, mas eu não consigo encontrar outra solução”.

O episódio fecha com o convite de Mano Brown a Fernando para refletir sobre todos os pontos que foram debatidos ali e o lembra que ele não representa apenas aqueles que o elegeram, mas toda a população de São Paulo.

O episódio foi alvo de críticas nas redes sociais, por se propor a conversar com o convidado escolhido

 

E houve aqueles que se surpreenderam com o debate

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE