STF

PF pede quebra de sigilo de e-mails da Precisa para apurar se Bolsonaro prevaricou

Solicitação foi endereçada à ministra do STF Rosa Weber. Quebra também atingiria arquivos armazenados em um sistema on-line utilizado pela empresa para compartilhar documentos da vacina Covaxin com o Ministério da Saúde

Luana Patriolino
postado em 30/09/2021 18:10 / atualizado em 30/09/2021 18:12
 (crédito: Marcos Corrêa/PR - 10/8/21)
(crédito: Marcos Corrêa/PR - 10/8/21)

A Polícia Federal pediu a quebra de sigilo de e-mails da Precisa Medicamentos, intermediária da venda da vacina indiana Covaxin ao Ministério da Saúde. A solicitação foi enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) para aprofundar a investigação sobre suposta prevaricação do presidente Jair Bolsonaro.

A ministra Rosa Weber, relatora do inquérito, ainda não se manifestou sobre o assunto. A quebra solicitada pela Polícia Federal também atingiria e-mails e arquivos armazenados no sistema on-line Dropbox utilizado pela empresa para compartilhar documentos da vacina Covaxin com o Ministério da Saúde.

Em operação contra alvos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19, a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Receita Federal realizaram mandados de busca e apreensão, nesta quinta-feira (30/9), na empresa Global Gestão em Saúde, investigada por um suposto esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo um contrato com a Petrobras feito em 2015, durante o governo Dilma Rousseff.

É a terceira busca relacionada a endereços do empresário Francisco Maximiano. O proprietário da Global e da Precisa Medicamentos está na condição de investigado da CPI por suspeita de corrupção em contrato que envolveu o Ministério da Saúde em tentativa de compra da vacina da Covaxin. As buscas foram iniciadas às 6h no prédio da Global e da Precisa. Os mandados de busca e apreensão foram autorizados pela Justiça Federal.

  • Rosa Weber
    Rosa Weber Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
  • Polícia Federal investiga desvio de dinheiro em projetos de pesquisas financiados pela Finatec e CNPq
    Polícia Federal investiga desvio de dinheiro em projetos de pesquisas financiados pela Finatec e CNPq Foto: Polícia Federal/Divulgação
  • Rejeição a Bolsonaro chega a 44,8% e a de Lula fica em 28,8%
    Rejeição a Bolsonaro chega a 44,8% e a de Lula fica em 28,8% Foto:
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE