CPI da Covid

Fakhoury admite à CPI financiamento do Força Brasil, mas alega função "figurativa"

Ele afirmou que não faz parte da gestão do instituto e que não tem "poderes deliberativos", e negou qualquer envolvimento na negociação da vacina Davati Supply

Tainá Andrade
postado em 30/09/2021 18:05
 (crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
(crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Mesmo com o cargo de vice-presidente do Instituto Força Brasil, Otávio Fakhoury negou em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, nesta quinta-feira (30/9), saber qualquer informação sobre a tentativa de intermediação, por parte do presidente da instituição, Helcio Bruno de Almeida, na compra de vacinas entre a Davati Supply Medical e o Ministério da Saúde. Empresário também disse desconhecer a dinâmica das redes sociais do instituto e alega que, apesar de ter financiado companhia, possui apenas 'função figurativa'.

O depoente afirmou que seu papel na entidade é apenas de “filantropo”e “sem poderes deliberativos” e que ele não se envolve em assuntos de gestão. “Eu não participava da gestão, não tenho nenhum ato de gestão ali”, reforçou.

Ao explicar sua relação com Helcio de Almeida, Fakhoury o definou como um “amigo pessoal” que pediu um favor. “Ano passado, Helcio me procurou para formalizar o instituto. Me apresentou os estatutos e eu prometi fazer um aporte no instituto para custear, em um período até que ele tivesse operando, a captação, até que tivesse os membros para que pudesse andar por conta própria. Quem comanda fica em Brasília, eu tinha uma função institucional, não de executivo, e ficava em São Paulo, não participava da gestão ou do dia a dia”, garantiu.

Fakhoury admitiu que financiou o custeio do local e de suas atividades, mas insistiu que sua função é apenas “figurativa”. Apesar de negar o envolvimento na gestão do Instituto Força Brasil, informou à CPI que a diretoria está em discussão para decidir o futuro da entidade. “Tivemos uma reunião onde está sendo deliberada se vai trocar a diretoria toda, se vão entrar pessoas novas ou se (o instituto) vai ser extinto. Estamos tendo uma discussão se vai ser extinto ou não”, contou.

Os senadores, principalmente o presidente da mesa, Omar Aziz (PSD-AM), comentou que “está dando um tilt no relacionamento”. Ele questionou o fato de Fakhoury ter um cargo de confiança dentro da entidade e não saber o fim do dinheiro que investe. Além disso, confrontou o depoente sobre está do lado de uma pessoa que não converge com os mesmos pensamentos que ele — como no fato de Helcio tentar representar uma vacina e de Fakhoury ser contra a imunização.

“Veja bem: o presidente desta instituição tentou vender vacina da Davati, tentou ganhar uma ponta lá. O senhor é vice-presidente e aqui diz que não se vacinou, que os seus filhos não se vacinaram, que a sua família não se vacinou, mas o senhor continua com o cara que quis vender vacina? [É] Vice-Presidente do cara”, emendou Aziz.

Entenda a relação

Helcio Bruno de Almeida, presidente do Instituto Força Brasil, do qual Fakhoury é vice, foi ouvido anteriormente pela CPI. Ele é acusado de levar o reverendo Amilton Gomes de Paula, presidente da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), e Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati Medical Supply, até o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, o coronel Élcio Franco. A suspeita é de que o ex-secretário do Departamento de Logística da pasta, Roberto Dias, pediu R$ 1 de propina para cada dose negociada.

O Força Brasil não tem qualquer relação com a área da saúde, porém se dizia representante da vacina AstraZeneca, fez a tentativa de ofertar 400 milhões de doses à pasta, com sobrepreço. Além disso, o instituto também é investigado no inquérito de disseminação de Fake News.

“A presença do senhor nessa diretoria expõe todos que participam da diretoria, porque a audiência estava sendo pedida em nome do diretor Helcio”, disse Omar.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE