Interferência no MP

Proposta não é boa para o Brasil, diz Sergio Moro sobre "PEC da Vingança"

Em vídeo compartilhado no Twitter nesta quinta-feira (18/10), ex-juiz afirma que "o promotor precisa de independência para realizar o seu trabalho com autonomia"

Cristiane Noberto
postado em 18/10/2021 16:51
 (crédito: Reprodução/Twitter)
(crédito: Reprodução/Twitter)

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro disse, nesta quinta-feira (18/10), que a PEC 05/21, a chamada "PEC da Vingança", vai permitir interferência política nas funções do Ministério Público. No Twitter, Moro escreveu: “Precisamos de um Ministério Público forte e independente para proteger a sociedade e as pessoas contra o crime. #PEC5NÃO”.Interf

Em vídeo, o ex-juiz se dirige à população explicando que os promotores de justiça poderão sofrer “retaliações” e “punições” quando estiverem investigando pessoas poderosas ou com influência política. “Você acha que o promotor vai conseguir realizar o seu trabalho sem medo de sofrer retaliações ou punições, quando ele [o promotor], por exemplo, investigar uma pessoa poderosa e que tenha influência política? Essa proposta não é boa para o Brasil. Tirar a independência do Ministério Público é desproteger a sociedade. É deixar as vítimas daqueles crimes vulneráveis”, disse.

Moro ainda insta aos cidadãos pedirem aos deputados voto contrário à proposta.”Fale com seu deputado, peça para ele votar contra essa proposta, o Brasil precisa de um Ministério Público forte e independente”, afirmou.

"PEC da Vingança"

A proposta é uma espécie de resposta aos efeitos causados pela Operação Lava-Jato no meio político. O texto impõe alterações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), como a composição do colegiado — ampliando, por exemplo, o número de integrantes indicados pelo Congresso. Outra mudança prevista é de conceder ao Parlamento a prerrogativa de indicar o corregedor do MP.

A matéria está em tramitação desde março deste ano, sob relatoria do deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), e já está em sua sétima versão. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE