REPRESENTATIVIDADE

COP26: Indígena brasileira pede ação de líderes mundiais

Com um traje tradicional e o rosto pintado, Paiter Bandeira Suruí exigiu a proteção para os líderes indígenas que são assassinados em defesa de suas comunidades

Ingrid Soares
Jorge Vascocellos
Tainá Andrade
postado em 02/11/2021 06:00
Walelasoetxeige Paiter Bandeira Suruí discursou diante de mais de 120 líderes globais -  (crédito: Min. do meio ambiente/Divulgação)
Walelasoetxeige Paiter Bandeira Suruí discursou diante de mais de 120 líderes globais - (crédito: Min. do meio ambiente/Divulgação)

Uma jovem indígena brasileira e uma estudante de geografia chilena discursaram, ontem, na COP26, em Glasgow, com uma mensagem enérgica a favor do combate à mudança climática e em defesa da natureza. “Tenho 24 anos, mas meu povo vive no Amazonas há 6.000 anos”, começou lendo Walelasoetxeige Paiter Bandeira Suruí, da etnia Paiter Suruí, em inglês, diante de uma audiência de mais de 120 líderes do planeta.

Com um traje tradicional e o rosto pintado, Paiter Bandeira Suruí reivindicou a herança de seus antepassados, a riqueza ecológica da Amazônia e exigiu a proteção para os líderes indígenas que são assassinados em defesa de suas comunidades.

“Hoje, o clima está esquentando, os animais estão desaparecendo, os rios estão morrendo e nossas plantas não florescem como antes”, explicou a jovem, estudante de direito.

Paiter Bandeira Suruí falou pouco antes do secretário-geral da ONU, António Guterres, que, por sua vez, pediu aos líderes presentes que cheguem a acordos para “salvar a humanidade” da mudança climática.

“A Terra está falando conosco e está dizendo que não temos mais tempo. Precisamos de outro caminho. Não em 2030, não em 2050, mas agora”, disse a indígena, referindo-se às principais metas de progresso estabelecidas pela comunidade internacional. “Temos ideias para adiar o fim do mundo. Acabemos com as mentiras”, pediu.

Isis Riquelme se apresentou depois com uma mensagem em vídeo para a audiência como “ecofeminista” e estudante de geografia no Chile. “Nós, seus filhos, suas crianças, decidimos colaborar globalmente para cuidar do nosso lar. Mas são vocês que decidem como reconstruí-lo. Peço que escutem”, disse a jovem. “Ajudem-nos, por favor, a garantir um futuro melhor. Nossas vidas estão em suas mãos. O que decidirem nesta conferência mudará o rumo da humanidade. É hora de agir”, enfatizou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE