COP26

Único chefe de poder nacional na COP26, Pacheco quer combater desmatamento

Presidente do Congresso Nacional está, desde o último sábado (6), em Glasgow, onde ocorre a COP26

Mateus Muratori - Estado de Minas
postado em 08/11/2021 15:03
Rodrigo Pacheco durante encontro com membros do governo da China -  (crédito:  Divulgação/Presidência do Senado)
Rodrigo Pacheco durante encontro com membros do governo da China - (crédito: Divulgação/Presidência do Senado)

Único chefe de um poder nacional do Brasil na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021, a COP26, sediada em Glasgow, na Escócia, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), se reuniu nesta segunda-feira (8/11) com John Murton, enviado do Reino Unido à COP26, e deu início ao ciclo de encontros com autoridades.

A intenção de Pacheco é representar o país e abrir espaço para um diálogo em busca de um mercado produtivo mais sustentável e que reduza a emissão líquida de gases de efeito estufa.

"É fundamental nós reconhecermos e fazermos o mea culpa de um problema grave que temos no Brasil, que é o do desmatamento ilegal da Amazônia e das nossas florestas. É evidente que esse problema existe, e nós precisamos reconhecê-lo e apresentar os mecanismos de solução. Então, foi uma conversa muito franca, em que assumimos pelo Senado Federal os compromissos legislativos de acompanhamento, inclusive, da gestão feita pelo governo federal em relação ao combate ao desmatamento ilegal. Leis, nós temos, mas precisamos é fazer cumprir a lei no Brasil, evitando que haja esse desmatamento", disse Pacheco, após o encontro com o britânico.

O senador brasileiro está em Glasgow, capital da Escócia, desde sábado (6/11) e participará de encontros relativos à Cúpula do Clima até quarta-feira (10/11). Não há uma agenda pré-definida da realização de encontros, mas o presidente do Senado também se reuniu nesta segunda com o enviado especial do clima do governo da China, Xie Zhenhua.

A expectativa é de que Rodrigo Pacheco também se encontre, nos próximos dias, com John Kerry, enviado presidencial especial para o clima dos Estados Unidos, e Marcos Prado Troyjo, presidente do Banco dos Brics - em alusão ao agrupamento de países Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Sem a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AP), Pacheco se torna o centro das atenções nos assuntos relativos ao Brasil, como desmatamento e incêndios em biomas do país, especialmente na Amazônia. Estão com Rodrigo Pacheco os senadores Acir Gurgacz (PDT-RO), Kátia Abreu (PP-TO); e Jaques Wagner (PT-BA).

Se faltam representantes nacionais, a COP26 conta com 17 governadores dos estados do Brasil. O mineiro Romeu Zema (Novo-MG) é um deles. João Doria (PSDB-SP), Renato Casagrande (PSB-ES), Gladson Cameli (Republicanos-AC), Camilo Santana (PT-CE), Mauro Mendes (DEM-MT), Helder Barbalho (MDB-PA), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Fátima Bezerra (PT-RN), Eduardo Leite (PSDB-RS), Marcos Rocha (PSL-RO) e Carlos Moisés (PSL-SC) são os demais. A grande maioria está acompanhada de equipes estaduais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE