Manifestações

Barroso diz que 7 de Setembro pode mostrar tamanho do fascismo no país

Apesar disso, ministro do STF disse que não ver com preocupação as manifestações marcadas para o feriado da Independência em apoio ao presidente Bolsonaro

Thays Martins
postado em 05/08/2022 16:48
 (crédito:  Thays Martins/ CB)
(crédito: Thays Martins/ CB)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso afirmou nesta sexta-feira (5/8) que não ver motivo para preocupação com as manifestações marcadas para 7 de Setembro em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição. No entanto, ele disse que se o movimento tiver como intuito atacar às instituições democráticas pode servir para mostrar "o tamanho do fascismo e do sentimento antidemocrático no no Brasil".

A fala foi dita durante o 17° Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) em São Paulo. Barroso ainda ressaltou que não existe problemas em manifestações democráticas.  "Apoiar um candidato é liberdade democrática. Agora, destruir as instituições é fascismo", destacou.

O ministro também disse que não enxerga a possibilidade de um golpe no Brasil. Ele lembrou que na Ditadura Militar existiu um apoio das instituições ao movimento antidemocrático e que essa não é a realidade no Brasil atual. "A impressa defende a democracia, a classe média, os bancos, os Estados Unidos. Não há nenhuma das condições que em outras situações legitimaram", ressaltou. 

Apesar da fala otimista, Barroso alertou sobre o enfraquecimento de democracias pelo mundo devido a líderes populistas. "Causado não mais por golpes de Estado, mas por líderes populistas que são eleitos e destroem os pilares da democracia", disse. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE