diplomacia

Em divergência com EUA, Lula encontrará Blinken

Um dia depois de o governo dos Estados Unidos contestar publicamente suas declarações sobre Israel, presidente se reunirá com secretário de Estado americano

Lula virou alvo de ataque ao comparar guerra em Gaza ao Holocausto -  (crédito: Reprodução/Youtube)
Lula virou alvo de ataque ao comparar guerra em Gaza ao Holocausto - (crédito: Reprodução/Youtube)
postado em 21/02/2024 03:55

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reúne-se, nesta quarta-feira (21/2), com o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, um dia depois de os Estados Unidos contestarem as declarações do líder brasileiro que comparou a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza ao Holocausto.

Blinken, cujo cargo é equivalente ao de ministro das Relações Exteriores, desembarcou nesta terça-feira em Brasília e, após encontro com Lula, seguirá para a Cúpula de Chanceleres do G20, no Rio de Janeiro.

Horas antes da chegada dele ao Brasil, o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, foi questionado pela imprensa norte-americana sobre as declarações de Lula. "Obviamente, nós discordamos desses comentários. Fomos bem claros que não acreditamos que ocorreu um genocídio em Gaza. Queremos ver o fim do conflito assim que for prático, queremos ver o aumento da ajuda humanitária para os civis em Gaza, mas não concordamos com esses comentários", enfatizou Miller.

Os Estados Unidos são o principal aliado do governo de Benjamin Netanyahu. Nesta terça-feira, vetaram, pela terceira vez, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, uma proposta de cessar-fogo na guerra Israel-Hamas. O Brasil, por sua vez, vem votando a favor das resoluções propostas para cessar os ataques.

A tensão diplomática envolvendo a guerra na Faixa de Gaza é um dos principais itens da pauta do G20.

Maduro

A Venezuela também deve ser tema central das discussões, por dois motivos. O primeiro é o movimento de Nicolás Maduro para anexar a região de Essequibo, que pertence à Guiana. O presidente venezuelano ameaçou uma invasão militar após plebiscito favorável, obrigando o Brasil a mobilizar tropas na fronteira. Além disso, Maduro vem descumprindo acordo feito com os Estados Unidos para garantir eleições democráticas neste ano, de acordo com o governo americano.

O tratado prevê que candidatos da oposição possam participar livremente do pleito, o que o governo venezuelano não vem permitindo. O Brasil também participou das negociações do acordo, que inclui o fim de sanções contra a Venezuela, mas ainda não cobrou publicamente Maduro.

O chanceler americano fica no país até sexta-feira, quando segue para a Argentina para uma reunião com o presidente Javier Milei.

 


 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br