Agefis derruba 15 obras de prédios residenciais em Vicente Pires

Segundo a agência, área onde as construções derrubadas estavam sendo erguidas se destinam a prédios públicos, não residenciais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2017 12:27 / atualizado em 28/11/2017 16:28

Antonio Cunha/CB/D.A Press
 
Uma equipe da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) iniciou a derrubada de 15 obras residenciais em Vicente Pires, na manhã desta segunda-feira (27/11). A ação ocorre na Rua 10A, chácara 125, próximo às vias mais movimentadas da região. 


Em nota, o órgão relatou que não havia ocupantes no momento da derrubada. Ainda segundo a agência, como a ação ocorre em área pública, não havia necessidade de aviso prévio. A remoção estava prevista para ser concluída no período da tarde. Não houve relatos de confusão ou de protestos.

Funcionários da Agefis disseram que a área é destinada a prédios públicos, não residenciais. De acordo com o órgão, o parcelamento irregular da chácara 25 era monitorado desde junho deste ano. Um pedreiro surpreendido pela ação confirmou ao Correio que as obras no local eram destinadas a residências.

O total de autuações de obras irregulares em Vicente Pires chega a 1,2 mil, com sete interdições com lacre físico a prédios. O órgão afirma, ainda, ter desobstruído 34 áreas públicas na região em operações desde 2015.

Em outubro, um prédio em construção próximo ao Taguaparque desabou e matou o técnico em edificações Agmar Silva, 55 anos. Ele trabalhava na obra, que era de responsabilidade da empresa dele, quando a estrutura cedeu. De acordo com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU/DF), a companhia não tinha autorização para funcionar.
 
Antonio Cunha/CB/D.A Press
 

Agefis alerta sobre a falta de alvará


Em nota, a Agefis esclareceu os riscos para a construção de edificações sem alvará. "(O documento) é a garantia que aquela edificação tem projeto aprovado, ou seja, um profissional que garante a segurança da obra", explicou.

A intensificação das vistorias em Vicente Pires levou a Agefis a interditar uma igreja católica na região. A Arquidiocese de Brasília recorreu, mas o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) negou o recurso. Apesar da interdição, a paróquia continua a celebrar missas.
 
De acordo com a Administração Regional de Vicente Pires, há 700 edificações irregulares em Vicente Pires. Isso levou o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a pedir a demolição imediata dos prédios, prontos ou não, com risco de desabamento.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.