Publicidade

Correio Braziliense

''Ele era amável com o filho'', diz vizinho sobre o pai de Bernardo

Morador da 712 Sul afirma que convívio do pai com o filho que diz ter matado parecia normal


postado em 04/12/2019 14:46 / atualizado em 04/12/2019 14:49

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
Preso por suspeita de sequestrar e matar o próprio filho de 1 ano e 11 meses, Paulo Roberto de Caldas Osório, 45 anos, era conhecido por moradores e comerciantes da 712 Sul como uma pessoa amável e educada.

As pessoas que residem na quadra evitaram dar muitas informações sobre Paulo Roberto nesta quarta-feira, após a divulgação do crime. Porém, um vizinho que pediu para não ser identificado disse que o funcionário do metrô sempre demonstrou ser "muito amável" com o filho, Bernardo.  

Paulo morava na quadra havia muitos anos e costumava frequentar a panificadora Vitoriosa, na comercial da W3, quase todos os dias. Danielle Bastardo, 37, dona da panificadora, conta que conheceu Paulo há mais de quatro anos.

"Muito alegres"

"Estou chocada com o que aconteceu. Ele frequentava a padaria quase todos os dias. Era muito educado, nunca reparei nada fora do comum. Às vezes, encontrava com ele na rua e ele sempre me cumprimentava", relata.
 
De acordo com ela, Paulo tinha o costume de comprar lanche logo pela manhã ou no fim da tarde. Na sexta-feira (29/11), dia em que ele pegou a criança na escola e fugir com ela, Paulo Roberto não foi à padaria.
 
Luana Santos Dias, 28, funcionária da panificadora, conta que a última vez que viu Paulo foi no início da semana passada. "Ele veio trocar algumas moedas comigo", comenta, dizendo-se inconformada com o que aconteceu.

A funcionária diz que ainda não acredita que ele possa ter matado o filho. "Já vi umas três ou quatro vezes ele com a criança no colo. Os dois sempre muito alegres", afirma.

Preso na segunda-feira

Paulo Roberto foi preso na segunda-feira em Alagoinhas (BA), para onde fugiu depois de pegar o filho na escola e não cumprir o combinado de entregá-lo à mãe, a advogada Tatiana da Silva Marques.

Segundo a polícia, no domingo ele mandou mensagens dizendo que não entregaria o filho, dando início às buscas por ele. Depois de preso, confessou o sequestro e disse ter matado Bernardo e abandonado o corpo em uma estrada.

A Justiça determinou a prisão preventiva de Paulo Roberto, e a Polícia Civil segue nas buscas pelo corpo do garotinho. Ao Correio, a mãe disse "se apegar a um fio de esperança" de ainda encontra o filho com vida.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade