TRINDADE

Justiça desbloqueia R$ 2,9 milhões da Associação Filhos do Pai Eterno

A associação, fundada pelo Padre Robson de Oliveira, trocou a diretoria após a investigação que apura supostos desvios de doações de fiéis

Thays Martins
postado em 23/09/2020 17:23 / atualizado em 23/09/2020 17:24
 (crédito: Santuário Divino Pai Eterno/Divulgação)
(crédito: Santuário Divino Pai Eterno/Divulgação)

A Justiça autorizou, nesta quarta-feira (23/9), que R$ 2,9 milhões das contas da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), responsável pela administração do Santuário Basílica de Trindade, em Goiás, sejam desbloqueados. As contas estavam bloqueadas desde a deflagração, em agosto, da Operação Vendilhões, que investiga os crimes de apropriação indébita, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos, sonegação fiscal e associação criminosa.

O pedido foi aceito pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), após a entidade afastar todos os membros da diretoria investigados por supostos desvios de doações de fiéis.

A nova diretoria informou que vai contratar uma empresa para fazer uma auditoria nas contas da gestão anterior. O padre Robson de Oliveira, que era o presidente da associação, também continua afastado das funções.

No pedido, a Afipe argumentou que não teria como manter o funcionamento adequado da instituição caso as contas continuassem bloqueadas. Na decisão, a juíza Placidina Pires, segundo o portal G1, afirmou que a Afipe é vítima dos fatos criminosos. “Figura como vítima dos supostos fatos criminosos [...] de forma que não se mostra razoável a manutenção do bloqueio judicial, sobretudo considerando que a referida associação já providenciou, por conta própria, a adoção de algumas medidas internas para afastar eventuais riscos de reiteração das práticas ilícitas”.

Relembre o caso

Em agosto, o Ministério Público do estado de Goiás (MPGO) deflagrou a Operação Vendilhões. Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, inclusive em imóveis luxuosos ligados ao fundador e presidente da entidade, o padre Robson de Oliveira. 

De acordo com o MPGO, a entidade chegava a receber R$ 20 milhões por mês. Foram movimentados mais de R$ 2 bilhões nos últimos nove anos.

Após a operação, o padre Robson pediu afastamento das funções e a Arquidiocese de Goiânia retirou, temporariamente, o uso de ordens dele. Na prática, isso quer dizer que o religioso fica suspenso de celebrar missas. O padre nega as acusações.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação