PANDEMIA

Covid: média de mortes cresce 31% e atinge maior patamar dos últimos 2 meses

Brasil registrou 842 óbitos e 51.088 novos casos nesta terça-feira (8/12), totalizando 178.159 mil vidas perdidas e 6.674.999 de infectados

Edis Henrique Peres*
postado em 08/12/2020 21:39 / atualizado em 08/12/2020 21:40
Enterro de vítima da covid no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília -  (crédito: Ed Alves/CB/D.A. Press)
Enterro de vítima da covid no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília - (crédito: Ed Alves/CB/D.A. Press)

Números relacionados à pandemia do novo coronavírus no Brasil continuam em linha de ascensão. Em 24 horas, os dados do Ministério da Saúde apontam para um total de 842 novas mortes por covid-19 nesta terça-feira (8/12), totalizando 178.159 óbitos. A média móvel de mortes cresceu 31% em relação ao mês passado, alcançando seu maior número em 62 dias.

Com mais 51.088 novos casos, o país contabiliza 6.674.999 de infectados. Desde o início da pandemia, 5.854.709 de pessoas estão recuperadas da doença e outras 642.131, em acompanhamento. A região que acumula o maior número de casos e óbitos é o Sudeste, com 2.320.646 de confirmações e 81.352 fatalidades. O Sudeste é seguido pelo Nordeste, que contabiliza 1.699.155 de casos e 45.272 mortes; e pelo Sul (1.069.497 de infectados e 17.987 vítimas).

Em razão do aumento de casos no país, a infectologista Eliana Bicuda, assessora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), relembra os cuidados na prevenção da doença, como higiene das mãos e distanciamento social. “Não podemos esquecer que a pandemia ainda não acabou”.

A especialista ressalta que mesmo com o avanço dos estudos de imunizantes e a chegada da vacina em alguns países, o uso de máscara é essencial. “Por enquanto, a máscara é a vacina que temos”.

Vacina

Em reunião com governadores nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prometeu começar a vacinação no Brasil no fim de fevereiro. O ministro explicou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) leva ao menos 60 dias para realizar a certificação de qualquer vacina.

O general garantiu que o governo não abre mão da segurança, da eficácia e do selo da Anvisa nos imunizantes. “Tudo está sendo feito conforme os protocolos da agência reguladora, que representa legalmente a autoridade no assunto. E qualquer descumprimento pode colocar em risco a saúde da população. Ressalto que todos aqueles que desejarem terão acesso à vacina”.

*Estagiário sob a supervisão de Andreia Castro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE