Vacinação

Covid-19: Especialistas alertam para viabilidade do adiantamento das doses de reforço

O reforço é importante para garantir nível adequado de proteção da população

Bernardo Lima*
Maria Eduarda Angeli*
postado em 17/11/2021 20:26
 (crédito: Dimitar DILKOFF / AFP)
(crédito: Dimitar DILKOFF / AFP)

Depois do anúncio do Ministério da Saúde sobre o adiantamento das doses de reforço contra covid-19 para todos os maiores de 18 anos, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SSDF) informou que seguira a determinação do governo federal para formar estratégia de campanha de vacinação das doses de reforço. 

“A Secretaria de Saúde informa que o Ministério da Saúde ainda não encaminhou aos estados o documento que formaliza a alteração quanto a dose de reforço e dá as diretrizes para a aplicação. Tão logo sejam repassadas ao DF todas as orientações técnicas e a previsão de envio das vacinas, a estratégia será amplamente divulgada para a população do DF”, informou por nota, a SSDF

A decisão, gera preocupação quanto à viabilidade da ação, levando em conta a quantidade necessária de doses para fortalecer a imunidade de uma parcela muito grande da população.

O epidemiologista e coordenador da sala de situação de saúde da Universidade de Brasília (UnB), Jonas Brant, diz que o adiantamento gera uma sobrecarga nos sistemas de saúde, que não esperavam a notícia. "É um fator surpresa, porque o sistema não está preparado para isso. Então, ao invés de fortalecer, a resposta fragiliza, principalmente os profissionais que estão na linha de frente, já sobrecarregados e cansados.”

Diferença entre as unidades da Federação

A nova medida também traz dúvidas quanto ao cronograma, discrepante entre os estados. Em São Paulo, a ampliação da vacinação começa nesta quinta (18/11). A decisão veio no mesmo dia do pronunciamento de Queiroz. Já no Distrito Federal, o calendário ainda não começou a ser definido.

O intervalo estipulado entre a segunda dose e a terceira é de cinco meses. A decisão da redução do tempo, que antes era de seis meses, foi tomada após realização de análises que atestam a segurança do procedimento. O intensivista do Hospital Brasília, Rodrigo Biondi, aponta que o cenário é que, como ainda não há estudo suficiente sobre a covid-19, existe apenas o conhecimento prévio acerca de outras doenças e vacinas. Dessa forma, fica a indicação da terceira dose.

De acordo com Biondi, a situação se dá pela diferença de disponibilidade das doses. "Não há vacinas suficiente para todos de uma vez, é por isso que fomos ampliando o número de vacinados pelos grupos de risco e depois pelas faixas etárias", explica. 

Já o epidemiologista Jonas Brant explica que o Instituto Butantan é um trunfo para São Paulo, que conseguiu viabilizar uma maior independência nas estratégias de vacinação. “Importante entender que São Paulo, pelo fato de ter o Butantan, percebeu que tinha espaço para construir sua própria estratégia, e vem investindo muito em criar sua própria independência. O DF optou por uma estratégia diferente, talvez pela fragilidade em termos de quantidade de recursos humanos na área de vigilância e saúde.”

Na avaliação de Brant, a criação de um planejamento estadual poderia facilitar o combate à pandemia. "Mas realmente é positivo ter uma estratégia estadual, mesmo que ela esteja pronta para uma mudança como essa que surgiu agora com o anúncio do Ministério.”

A necessidade de potencializar o efeito da vacina veio com a constatação de especialistas de que o nível de proteção induzido pelos imunizantes cai ao longo do tempo, além da percepção de alta das infecções entre os imunizados com duas doses. Rodrigo Biondi explica que a conclusão não é tão alarmante quanto parece. “A maioria das vacinas demandam uma dose de reforço. Várias outras vacinas para doenças virais respiratórias demandam doses de reforço.”

Para o profissional, não há motivos que sustentem a desconfiança a respeito da eficácia das vacinas. “O sistema imune tende a reduzir a memória e precisar de reforço de tempos em tempos. Isso varia de doença para doença. O tétano, por exemplo, que é provocado por uma bactéria, precisa de reforço a cada dez anos. A vacina da gripe demanda reforço anualmente. Não é uma novidade para o coronavírus”, explica. "A vacina é tão eficaz que a gente reduziu drasticamente o número de infectados, internados e de mortes, na casa de 90%”, completa. 

No dia 16 de novembro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que a aplicação da dose reforço contra a covid-19 será ampliada a todos os maiores de 18 anos no país. Até então, a medida era reservada a imunossuprimidos, profissionais da área da saúde e idosos acima dos 60 anos, grupo que já registra 10,7 milhões de vacinados com a terceira dose.

A aplicação da terceira dose da CoronaVac, Pfizer e AstraZeneca começou no Brasil no mês de setembro deste ano. Segundo o Ministério da Saúde, há ainda 12,4 milhões de pessoas aptas a receber o reforço ainda em novembro. Quem tomou a dose única da Janssen também vai ter que voltar aos postos de vacinação: é preciso tomar uma segunda dose do imunizante a partir de dois meses da primeira, seguida do reforço cinco meses depois.

 *Estagiários sob supervisão de Pedro Grigori

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE