PARALISAÇÃO

Caminhoneiros do ES anunciam greve e mais estados podem aderir paralisação

Em um primeiro movimento após novo reajuste da Petrobras, categoria afirma que situação é insustentável

Luana Patriolino
postado em 10/05/2022 21:10 / atualizado em 10/05/2022 21:10
 (crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)
(crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)

O Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Espírito Santo (Sindicam/ES) anunciou que os caminhoneiros do estado entrarão em greve a partir de quarta-feira (11/5). A decisão ocorre depois que a Petrobras anunciou um novo reajuste de 8,86% no preço do diesel nas refinarias. A tendência é que outros estados possam aderir a paralisação nos próximos dias.

Em nota, o Sindicam do Espírito Santo afirma que o cenário chegou ao limite. “O Sindicam/ES, a ACA e a Coopercolog, juntamente com os representantes dos caçambeiros, apoiam esse movimento. Entendemos que a situação dos autônomos ficou insustentável depois de tantos reajustes, seja no preço do diesel ou dos insumos que compõem o dia a dia do caminhoneiro”, diz o comunicado.

O valor médio do combustível passará de R$ 4,51 para R$ 4,91. O preço final nas bombas ainda é incerto e tem causado temor entre os caminhoneiros. Ao Correio, o deputado federal Nereu Crispim (PSD-RS), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, destaca que o sentimento na categoria é de traição por parte do presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Agora foi a etapa final do governo do presidente Jair Bolsonaro na categoria que apoiou ele nas eleições. Ele mentiu, assim como o ex-ministro Tarcísio, que durante três anos, ficou três anos e meio enrolando”, diz.

Crispim também criticou a atuação do presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, e de outros gestores da empresa. “As lideranças estão considerando que os caminhoneiros estão de luto. O presidente não cumpriu a palavra dele. Dia 21 de maio vai fazer quatro anos da paralisação de 2018, ele continua com esses presidentes fantoches da Petrobras que fazem exatamente o que ele quer. Se tornou insustentável”, ressalta.

Enquanto a categoria critica Bolsonaro, o chefe do Executivo ataca a Petrobras. Na semana passada, durante live nas redes sociais, o presidente disse que é um “crime” e um “estupro” a estatal ter um lucro “abusivo”. “Faço um apelo: Petrobras, não quebre o Brasil”, disse na transmissão.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE