ALAGAMENTOS NO RIO DE JANEIRO

"Governo do RJ tem cota de responsabilidade", diz vice-governador do estado

O vice-governador do Rio de Janeiro também defendeu um esforço coletivo entre prefeituras e o governo federal. "É preciso investir mais, se planejar melhor", disse

Algumas regiões do Rio de Janeiro registraram um acumulado de mais de 200 milímetros de chuvas, superando em um dia a previsão para todo mês de janeiro
       -  (crédito: BRUNO KAIUCA / AFP)
Algumas regiões do Rio de Janeiro registraram um acumulado de mais de 200 milímetros de chuvas, superando em um dia a previsão para todo mês de janeiro - (crédito: BRUNO KAIUCA / AFP)
postado em 15/01/2024 08:52

Após fortes chuvas atingirem o Rio de Janeiro no fim de semana e causarem 11 mortes, o vice-governador do estado, Thiago Pampolha, reconheceu que o governo estadual tem "cota de responsabilidade" nos alagamentos que causaram, também, perdas de patrimônio da população. O líder, no entanto, disse que é necessário um esforço coletivo entre prefeituras e o governo federal, a fim de preparar melhor as cidades para enfrentarem os temporais. "É preciso investir mais, se planejar melhor e ter integração", pontuou o vice-governador, em entrevista à CNN na manhã desta segunda-feira (15/1).

Thiago também afirmou que embora os sistemas de monitoramento apontassem os riscos de temporais, a chuva foi "muito impactante" e acima do esperado. Algumas regiões do Rio de Janeiro registraram um acumulado de mais de 200 milímetros de chuvas, superando em um dia a previsão para todo mês de janeiro. Segundo o vice-governador, o governo estadual está trabalhando junto às prefeituras em ações coordenadas para minimizar os danos e garantir a segurança e o suporte necessário à população.

As chuvas atingiram com mais intensidade a zona norte do Rio e municípios próximos da região metropolitana — onde se concentram as mortes, causadas por deslizamento de terra, afogamentos e descarga elétrica. Além dos 11 mortos, duas pessoas desapareceram após os temporais.

Em trechos da Avenida Brasil, que liga o centro à zona oeste da cidade, a água acumulada chegou a superar o capô dos automóveis e bloqueou a via durante a noite. Além disso, diversas linhas de ônibus deixaram de circular, e pelo menos quatro estações do metrô tiveram de fechar temporariamente no domingo (14/1), por causa do acúmulo de água nos trilhos.

De acordo com o Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais, onze municípios cariocas estão em alto risco de alagamentos e enxurradas: Belford Roxo, Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Maricá, Niterói, Japeri, Seropédica e Rio de Janeiro.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
-->