Violência

SP: secretário de Segurança desconhecia 56 mortes na Operação Verão

Guilherme Derrite atribui grande quantidade de vítimas à " negligência do combate ao crime organizado no Brasil e no estado de São Paulo". E reage afirmando que policiais também morreram

Cadeirante tentou proteger o filho e também foi agredido pelos PMs -  (crédito: Redes sociais/Reprodução)
Cadeirante tentou proteger o filho e também foi agredido pelos PMs - (crédito: Redes sociais/Reprodução)
postado em 04/04/2024 03:55

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite, afirmou desconhecer a quantidade de mortos deixados pela Operação Verão, na Baixada Santista. Segundo números oficiais, são 56 óbitos confirmados, sendo que as famílias das vítimas fazem várias acusações sobre a brutalidade policial — que incluem prisões injustificadas e intimidações até mesmo em sepultamentos.

"Nem sabia que eram 56 (mortos), não faço essa conta. Infelizmente são 56. Para mim, o ideal é que não fosse nenhuma, mas, no mundo real em que a gente vive, a negligência do combate ao crime organizado no Brasil e no estado de São Paulo chegou num ponto que qualquer viatura policial vai sofrer disparo de arma de fogo", disse Derrite, que, na sequência, desafiou o jornalista que o indagara sobre as mortes.

"Aliás, o senhor mencionou 56 e talvez tenha se esquecido de mencionar os policiais que faleceram cumprindo sua missão. Nós perdemos o soldado Cosmo, Patrick Reis, o cabo Silveira... O sargento Guilherme, que perdeu um olho, ficou internado muito tempo na Santa Casa", emendou. A Operação Verão foi concluída na segunda-feira.

Enquanto Derrite defendia a ação policial, circulavam nas redes sociais imagens de uma abordagem violenta em Piracicaba (SP), em que policiais militares agridem um cadeirante. O homem estava dentro da própria casa e tentou proteger o filho, que segundo antes tinha sido abordado por agentes da Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam).

O rapaz bebia cerveja na porta de casa, quando foi abordado pelos PMs por causa de uma moto supostamente sem placa. O homem resistiu e tentou proteger-se dentro de casa. Foi perseguido pelos agentes até que o pai, cadeirante, interveio e foi agredido.

Segundo o comando da PM, os agentes que participaram da agressão foram afastados das funções.

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br