PANDEMIA

Grupo retoma projeto que leva cartas a profissionais da linha de frente no DF

Universidade de Brasília (UnB) e Correio retomam parceria no projeto Cartas Solidárias, que promove o envio de mensagens em reconhecimento a trabalhadores atuantes no combate à covid-19. Novo foco serão profissionais da vigilância sanitária

Larissa Passos
postado em 04/05/2021 06:00
Coordenadora da CoRedes, gestora do projeto, Josenaide Engracia (D) entregou carta para a enfermeira Ivy Suellen -  (crédito:  Arquivo Pessoal)
Coordenadora da CoRedes, gestora do projeto, Josenaide Engracia (D) entregou carta para a enfermeira Ivy Suellen - (crédito: Arquivo Pessoal)

Em meio a inestimáveis perdas e ao aumento crescente dos casos relacionados à covid-19 no Distrito Federal, a solidariedade e a empatia pedem mais espaço. O projeto Cartas Solidárias, uma iniciativa da Universidade de Brasília (UnB) em parceria com o Correio, promove o envio de mensagens em reconhecimento aos esforços de todos os profissionais que atuam na linha de frente do combate à pandemia do coronavírus. Na nova etapa da campanha, os homenageados são trabalhadores da vigilância sanitária que acompanham de perto a situação da doença na capital do país.

Coordenadora do projeto e professora do curso de psicologia da UnB, Larissa Polejack, 49 anos, lembra que a ação surgiu no início da pandemia, com foco em servidores que atuam exaustivamente em diferentes setores. “Esse reconhecimento do esforço é um fator importante de proteção da saúde mental. Você sabe que, apesar de todo o cansaço, as pessoas veem o que você está fazendo. Esse diferencial é muito importante”, ressalta.

O projeto, que conta com estudantes e professores da UnB, retomará a entrega de cartas. A ação havia sido suspensa em 2020, devido à diminuição dos casos da doença. Os integrantes da iniciativa fazem a entrega pessoalmente. Em todo o ano passado, houve envio de 427 mensagens aos profissionais que trabalham no Cemitério Campo da Esperança, no Serviço de Limpeza Urbana (SLU), no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) e nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps).

Larissa Polejack ressalta que todos os moradores da capital federal podem participar da proposta (leia Para saber mais). A primeira fase, no ano passado, alcançou resultados positivos: “O retorno é importante para os dois lados — quem recebe, porque sente a valorização e o carinho; e quem escreve, porque há um sentimento de gratidão pelo outro”, diz a psicóloga. Ela acrescenta que é necessário movimentar e fortalecer essas redes de solidariedade, porque, além de ajudarem as pessoas, atuam como fator de proteção.

  • Cidades. Projeto Cartas Solidárias, da UnB. Carta da enfermeira e gerente do Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), Ivy Suellen Candido.
    Mensagens enviadas por e-mail são impressas e levadas às equipes Arquivo Pessoal

Acolhimento

“Muito obrigada por serem verdadeiros heróis durante este momento de pandemia. Obrigada por dedicarem suas vidas a toda a população, arriscando a própria saúde e bem-estar no processo. Muitos de vocês tiveram que se separar de entes queridos, abdicar de inúmeras noites de sono em plantões e se desdobrar para atender com qualidade pacientes em meio à falta de recursos”, diz um trecho da carta entregue à enfermeira e gerente do Caps II de Taguatinga, Ivy Suellen Candido da Silva, 35.

Moradora de Samambaia Sul, Ivy conta que receber a carta gerou um momento acolhedor não só para ela, mas para outros profissionais da equipe do Caps — desde servidores da equipe assistencial a terceirizados das áreas de limpeza e segurança. “Estávamos em um momento de desespero, com medo, como toda a população. Porém, o fato de sermos profissionais da saúde, de alguma forma, faz a gente compreender que somos cuidadores nessas situações e que devemos permanecer firmes mesmo diante das incertezas”, observa.

Para a enfermeira, a carta solidária trouxe, também, sentimento de conforto. Ela recebeu a mensagem em 8 de julho. “Foi bem legal o momento de entrega das cartas. Quem não estava na hora, quando soube, logo veio pegar uma”, recorda-se. Nesse texto, um trecho específico ficou marcado: “Saibam que, apesar das limitações proporcionadas pela profissão de vocês em relação ao contato com a família e amigos, milhares de pessoas estão com vocês”, dizia.

Sobrecarga

Para a responsável pela Coordenação de Articulação de Redes para Prevenção e Promoção da Saúde (CoRedes) — entidade executora e gestora do projeto —, Josenaide Engracia dos Santos, 58, as palavras escritas levam força e motivação a quem está na batalha contra o novo coronavírus. “Acalenta os corações, simboliza o abraço apertado que não pode ser dado. Diz que estamos juntos em mentes e corações. É uma forma de agradecimento por quem dispõe a própria vida para salvar as de outros”, comenta.

Ao fazer a distribuição das cartas, no ano passado, Josenaide ficou emocionada. “‘Acolhimento’, ‘empatia’ e ‘respeito’, foram palavras que estavam o tempo todo comigo”, reforça a coordenadora. “Acredito que são alguns dos sentimentos necessários para levar aos profissionais que estavam, naquele momento, — e ainda estão — vivendo um luto compartilhado”, completa.

  • Cidades. Cartas solidárias. Assistente Social do projeto Cartas Solidária, Flávia Aparecida Squinca
    Assistente social que atua na ação, Flávia Aparecida acredita que textos inspiram solidariedade e resiliência Arquivo Pessoal

A assistente social da CoRedes Flávia Aparecida Squinca, 40, entende que as cartas solidárias inspiram esperança, solidariedade e resiliência. Ela considera que a ação “traz afeto, proporciona autocompaixão e estimula a prevenção, além da promoção da saúde dos trabalhadores”. Principalmente em um contexto marcado por pressão, medo, sobrecarga e sem um “marcador temporal de finalização da pandemia”. Ela destaca que o projeto busca dar visibilidade a diversos profissionais: “Vale para todos os trabalhadores, inclusive aqueles em home office. Afinal, ninguém está isento dos impactos da pandemia”, acrescenta Flávia.

Como participar

Interessados em fazer parte do projeto Cartas Solidárias devem escrever uma mensagem de agradecimento e reconhecimento aos trabalhadores da vigilância sanitária ou outros profissionais que atuam na linha de frente no combate à pandemia. O texto deve ser enviado até 15 de maio, para o e-mail: cartassolidarias.dasu@gmail.com. Após o recebimento, a equipe do projeto se organizará para fazer a entrega presencial aos profissionais homenageados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE