Pandemia

Comissão da CLDF rejeita recurso para instauração da CPI da Pandemia

Alguns parlamentares veem na CPI da Pandemia uma estratégia política, enquanto outros defendem investigações sobre a atuação do GDF durante a crise sanitária

Edis Henrique Peres
postado em 04/05/2021 21:38 / atualizado em 05/05/2021 15:26
 (crédito: Reprodução)
(crédito: Reprodução)

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), rejeitou, em reunião extraordinária remota desta terça-feira (4/5), o recurso para instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. No entendimento da Procuradoria Geral da Casa, não há fatos determinados para a CPI. Na visão do relator, José Gomes (PSB), o entendimento da Procuradoria condiz com a situação da capital federal. Outros parlamentares que não veem fatos suficientes para a CPI são João Hermeto (MDB), Daniel Donizet (PL) e Martins Machado (Republicanos).

No entanto, apesar do parecer de rejeição da CCJ, pelo regimento da CLDF quem vota o recurso é o plenário, que ainda está sem data definida para apreciação dos 24 deputados da Casa. Segundo Grass, o requerimento para instalação da CPI apresentou “fatos objetivos” e o Governo do Distrito Federal (GDF) operou para evitar a comissão. O parlamentar criticou a presidência da CLDF por ter consultado a Procuradoria. “A gente não quer investigar só o governo, a gente quer saber porque a atuação catastrófica do GDF na pandemia nos trouxe até aqui, quais são as razões dessa catástrofe”, defendeu.

Os distritais se dividem em oposição e defesa do inquérito. Segundo Reginaldo Veras (PDT), o envio do requerimento para a Procuradoria foi um “caso inédito”. Para ele, a prisão do ex-secretário de Saúde, Francisco Araújo, comprova que havia fato determinado. No entanto, para Hermeto, o líder do Governo na CLDF, a defesa da CPI é apenas um “palanque político”. O parlamentar afirmou que as investigações devem ser feitas pelo Ministério Público e Polícia Civil.

Já o parlamentar Martins Machado (Republicanos) afirmou que os governadores já serão investigados pela CPI do Senado e que a abertura de uma outra CPI na CLDF não traz vantagens para a população. “No momento, não vai aumentar o número de leitos de UTI (unidades de terapia intensiva), não vai melhorar o atendimento na ponta e nem acelerar a vacinação”.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE