Vacina

Ministério Público do DF pede reposição de imunizantes

250 mil doses foram requisitadas ao Ministério da Saúde para repor doses aplicadas em residentes fora do DF

Correio Braziliense
postado em 13/07/2021 11:22 / atualizado em 13/07/2021 11:23
Órgão quer que Ministério da Saúde compense as defasagem de doses da vacina -  (crédito: Paul Hennessy/ Divulgação)
Órgão quer que Ministério da Saúde compense as defasagem de doses da vacina - (crédito: Paul Hennessy/ Divulgação)

Nesta segunda-feira (12/7), a força-tarefa do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) requisitou ao Ministério da Saúde mais 250 mil doses de vacina contra a covid-19. O pedido é para que seja feita a reposição das doses aplicadas na população residente fora do DF e suplementação ao que foi repassado, de maneira subestimada, para forças de segurança e profissionais da saúde.

O Ministério da Saúde estimou 6.753 integrantes das Forças de Segurança e Salvamento a serem vacinados. No entanto, são aproximadamente 32 mil trabalhadores da área. O MPDFT também verificou que há necessidade de mais 25 mil doses para os profissionais da área de saúde não vinculados a conselhos profissionais. Os dados são do estudo feito pela força-tarefa. Além disso, foram aplicadas no DF 171.652 doses de imunizantes em moradores de outros estados, principalmente de Goiás e Minas Gerais.

Para José Eduardo Sabo, procurador de justiça e coordenador da força-tarefa, a ação é importante para a vacinação por faixa etária no Distrito Federal. Em nota, ele explica que já foram feitos outros pedidos de vacinas. "Este não é nosso primeiro pedido de reforço por imunizantes ao Ministério da Saúde. Mas, dessa vez, fizemos um estudo importante e bastante detalhado que aponta uma subestimação real. O Ministério Público tem acompanhado cada etapa do Plano Nacional de Imunização e do Plano de Operacionalização para garantir a legalidade e também para dar cumprimento ao princípio constitucional do acesso universal e igualitário às ações e serviços de saúde”, destacou o procurador em nota.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE