Saúde

Covid-19: Em outubro, 77% dos testes analisados no DF foram negativados

Nos 28 primeiros dias de outubro, das 19.868 amostras coletadas. Atualmente, a taxa de transmissão do vírus está em 0,75

Correio Braziliense
postado em 01/11/2021 19:27
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF) registrou queda na proporção de resultados positivos nos exames para detectar a covid-19. Nos 28 primeiros dias de outubro, das 19.868 amostras coletadas, 77% foram negativas. Em setembro, o índice ficou em 68%. Além disso, o Lacen-DF tem se destacado pela agilidade: em média, as coletas são analisadas em menos de um dia.

Atualmente, a taxa de transmissão do vírus, chamada de R(t), está em 0,75. Pelo quarto dia consecutivo, os números registrados ficam abaixo de 200. Com isso, a capital soma 515.134 infectados pelo coronavírus, sendo que 501.398 (97,3%) já estão recuperados da doença. A média móvel de casos está em 199,57, comparado há duas semanas, com queda de 62,63%.

De acordo com o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno, os diagnósticos rápidos permitem planejar desde o atendimento individual de um paciente para decidir, por exemplo, se irá para um leito convencional ou para um voltado para o tratamento da covid, até o planejamento de toda a atuação da Secretaria de Saúde.  “O apoio de diagnóstico está intrinsecamente envolvido em todo o processo de condução dos casos. E a quantidade de testes positivos vem diminuindo consideravelmente”, explica.

 Sequenciamento genômico

O Lacen-DF também tem atuado na chamada vigilância genômica, que é a identificação das variantes do novo coronavírus encontradas no Distrito Federal. “Passamos pela variante P1, que é a de Manaus, e estamos com a predominância com a delta”, afirma a diretora do laboratório, Grasiela Araújo da Silva. De acordo com a diretora, o laboratório realiza a vigilância genômica tendo como critério casos de reinfecção, óbitos e pacientes muito graves.

 O trabalho de sequenciamento genético começou no início de 2021, com a aquisição de insumos pela Secretaria da Saúde. O Lacen-DF também foi contemplado com um equipamento de sequenciamento genômico de última geração, enviado pelo Ministério da Saúde. Houve ainda a parceria com a Universidade de Brasília para um projeto de pesquisa na área. 

Para garantir a celeridade dos exames, dos 240 servidores que trabalham no Lacen, em torno de 60 se revezam em turnos para manter o laboratório ativo por 24 horas para o diagnóstico do covid-19, inclusive aos sábados e domingos, um regime de plantão iniciado em março de 2020. Isso permitiu superar a marca de 1,5 mil exames analisados por dia. No início da pandemia, a capacidade diária era de 350.

 De acordo com a diretora do Lacen-DF, as tecnologias e as experiências incorporadas ao longo da pandemia de covid-19 vão ajudar a ampliar a capacidade do laboratório no acompanhamento de outras doenças. “Há um legado. Nós trabalhamos com a possibilidade de sequenciamento genético de outros vírus e de bactérias”, diz Grasiela.

 Entre os focos estão a hanseníase, a tuberculose e as chamadas “superbactérias”. O Lacen-DF também já se destacava no monitoramento das doenças respiratórias, com o acompanhamento de 11 vírus diferentes. “Nosso objetivo é saber o que circula para saber se prevenir, tomar as ações públicas necessárias”, finaliza a diretora do laboratório.

 *Com informações da Agência Brasília 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE