Vacinação

"As vacinas salvam vidas, basta olhar os gráficos e números", assegura pediatra

Com o início da vacinação infantil e o retorno das aulas, a entrevistada do 'CB.Saúde' falou sobre o ritmo da vacinação infantil no DF, o aumento de casos de crianças internadas e a importância da vacinação

Yasmim Valois*
postado em 20/01/2022 20:26
A pediatria ambulatorial da Sociedade de Pediatria do DF, Andréa Jácomo -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A pediatria ambulatorial da Sociedade de Pediatria do DF, Andréa Jácomo - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

No CB.Saúde desta quinta-feira (20/1), a médica pediatra, também coordenadora do departamento de pediatria ambulatorial da Sociedade de Pediatria do DF, Andréa Jácomo, reforçou a importância da prevenção contra a covid-19 e da vacinação infantil. Em entrevista à jornalista Carmen Souza, a profissional da saúde esclareceu temas como a importância da vacinação infantil, a parada cardiorrespiratória que ocorreu em uma criança após a vacinação (e que não foi causada pela vacina, como indicado pelo governo de São Paulo), o aumento de casos de crianças internadas e efeitos adversos mínimos.

"Já temos dados de segurança de outros países que vão passando pelas situações que nós vamos enfrentar e que nos dão tranquilidade para continuar recomendando e vacinando os nossos pequenos ", esclarece. O CB.Saúde é fruto da parceria do Correio Braziliense com a TV Brasília.

Com o início da vacinação, a pediatra esclarece sobre questões que podem preocupar aos parentes. "A primeira coisa que os pais precisam saber é que essa criança (que sofreu o infarto) está bem e que esse evento é um evento adverso. Nós não podemos falar ainda que foi uma parada cardíaca, porque ainda não temos esses dados concretos, temos relatos de que houve uma alteração na frequência cardíaca e um desmaio, diante disso a criança foi levada ao atendimento, todo nexo temporal vai ser investigado pela vigilância epidemiológica. É algo importante e essa vacina está sendo observada rigorosamente, sejam dados de outros países ou nacionais. Então, a criança está bem e o evento vai ser investigado para vermos se tem alguma relação ou não, porque muitas vezes só temos essa relação de tempo, mas isso não foi a causa", reforça.

A médica ainda ressalta que não é pertinente aguardar para realizar a vacinação e que os números mostram que a vacina diminuiu muito o número de mortes e a gravidade dos casos. "Devem fazer como eu fiz com os meus, os meus filhos são meus dois amores, existiam muito antes no meu coração antes de chegarem no meu colo, e hoje os levei para vacinar. Estamos preocupados por um motivo, a gente tá muito preocupado com a situação da variante Ômicron aqui no Brasil, estamos vendo os dados de países de fora que apontam que Nova York foi a primeira cidade americana que sentiu os efeitos da variante e os gráficos mostram a diferença entre os internados vacinados e não vacinados, a população não vacinada é a população mais vulnerável", afirma.

Veja a entrevista na íntegra:

*Estagiária sob a supervisão de Ronayre Nunes

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE