Crime

Suspeitos de aplicar golpes por aplicativo são alvos de operação no DF

Os criminosos se passavam por parentes para enganar as vítimas e pedir dinheiro, alegando urgência

Júlia Eleutério
postado em 16/03/2022 08:23 / atualizado em 16/03/2022 08:25
 (crédito: Gerd Altmann/Pixabay)
(crédito: Gerd Altmann/Pixabay)

Uma associação criminosa especializada em fraudes eletrônicas por meio do WhatsApp é alvo de uma operação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), na manhã desta quarta-feira (16/3). A 9ª Delegacia de Polícia (Lago Norte) cumpre três mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão temporária na região de Samambaia. Além disso, a polícia também bloqueou, através de mandados, as contas correntes usadas pelo grupo para receber os valores e efetivar a lavagem do dinheiro.

Segundo apurado na investigação, os suspeitos procuravam as vítimas em redes sociais, optando por pessoas mais velhas e moradoras das regiões administrativas com maior poder aquisitivo do Distrito Federal. Depois que escolhiam o alvo, o grupo fazia contato por mensagens de WhatsApp, fingindo ser parentes, e pediam dinheiro com urgência por conta de problemas no próprio aplicativo bancário.

Com o aplicativo de conversa clonado e usando as fotos verdadeiras dos parentes, principalmente dos filhos, as vítimas eram enganadas. Com as informações obtidas nas redes sociais, os criminosos também simulavam conversas por saberem da vida das vítimas. De acordo com a polícia, em geral, as vítimas começavam a desconfiar do golpe após o segundo ou terceiro depósito. Nesse momento, o grupo bloqueava a conta.

Uma vítima do DF depositou cerca de R$ 10 mil, percebendo o golpe somente quando a quadrilha solicitou um terceiro depósito no valor de R$ 15 mil. Além dessa pessoa, outras vítimas de fora da capital também caíram no golpe. Entre elas, uma do Mato Grosso, que repassou via PIX cerca de R$ 21 mil para os criminosos ao acreditar que era um parente precisando de ajuda. Com a prisão do grupo, a polícia pretende localizar novas vítimas da associação criminosa.

Ao bloquear as contas usadas pelos golpistas por meio dos mandados de sequestro de valores, a PCDF pretende amenizar o prejuízo das vítimas. As contas correntes usadas para receber os valores desviados estavam vinculadas a pessoas jurídicas para misturar o dinheiro ilegal com aqueles decorrentes das transações comerciais.

Os investigadores ficaram impressionados ao perceber que um dos envolvidos nos golpes chegou a procurar a Polícia Civil para registrar uma ocorrência, contando aos policiais que ele teria recebido mensagens de um desconhecido solicitando depósitos, mas percebeu que se tratava de um golpe. Por isso, pediu que o caso fosse investigado. Nesta manhã, ao receber a visita da equipe policial para cumprir a prisão, o suspeito perguntou aos agentes sobre a investigação da ocorrência que fez.

Alerta

Segundo a 9ª DP (Lago Norte), cerca de 70% das ocorrências registradas diariamente possuem relação direta ou indireta com os crimes de fraudes por meio de aplicativos de celular. Sendo assim, a polícia alerta a população para que prestem atenção ao receber
mensagens solicitando depósitos. É importante que não repassem os valores de imediato e tentem falar com quem está pedindo o montante, pessoalmente. É necessário também tomar cuidado com as informações expostas em redes sociais abertas, pois são essas informações e imagens que facilitam a ação dos criminosos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE