Literatura

Livro traz a trajetória de grafiteiro que deixou o tráfico pelas artes

Grafiteiro da cidade, Carlos Astro, 45 anos, lança livro sobre as gírias, a rotina e o tratamento durante o tempo que cumpriu pena no Complexo Penitenciário da Papuda (CPP) por tráfico de drogas

Pedro Marra
postado em 04/04/2022 06:00
O grafiteiro Carlos Astro encontrou na literatura e arte um caminho para reintegração social -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O grafiteiro Carlos Astro encontrou na literatura e arte um caminho para reintegração social - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Conhecida pela cena cultural de movimentos artísticos de rua, como o hip hop, Ceilândia recebe, no período de comemoração dos seus 51 anos, um presente simbólico: o livro O ressocializado — no mundo da lua, atrás das grades, do grafiteiro Carlos Washington Chagas Corrêa, 45 anos, mais conhecido como Carlos Astro. Na obra, o integrante do grupo de grafite 1V2M — Uma Vida, Dois Mundos — relata as memórias dos seis anos que esteve no Complexo Penitenciário da Papuda (CPP), preso por traficar oito quilos de cocaína.

Carlos transporta o leitor para um mundo à margem do convívio social, entre gírias e um código de conduta próprio, durante o tempo de reclusão. Além dos seis, ele ainda cumpriu mais quatro anos em regime semiaberto, totalizando dez anos de condenação.

Detido pela Polícia Civil do DF (PCDF), juntamente com outros cinco amigos de uma gangue de Ceilândia Norte, que produziam a droga em um laboratório, Astro criou o hábito de anotar o dia a dia da prisão em papéis de processos de ex-presidiários, que se transformaram nos rascunhos do livro. A mãe do escritor, Marilene Chagas, 68, buscava os escritos quando visitava o filho, a cada 15 dias. "Eu morava em Valparaíso de Goiás, e ia cedo para lá (Papuda), às 4h, pegava dois ônibus para visitar o meu filho", relembra.

A obra conta com 450 páginas e 30 capítulos. O primeiro, intitulado A casa caiu, inicia com o momento em que a polícia invadiu a fábrica clandestina e toda trajetória de Astro na penitenciária inicia. "Fiquei muito triste e, ao mesmo tempo, muito feliz, porque eu sabia que tinha errado e iria conseguir fazer o livro", afirma o autor.

O nome Astro surgiu em uma aula de astrologia na escola. A origem é explicada em uma parte do livro com páginas do alfabeto de A a Z, contendo gírias sobre o vocabulário do dialeto prisional.

A mãe de Astro reconhece que o filho deu uma reviravolta na vida. "Acho que todos nós podemos errar um dia e, no caso dele, errou, mas é trabalhador", fala de peito aberto. Marilene recorda que desde pequeno, Carlos Astro desenha. "Aos 12 anos, ele começou a desenhar brinquedos e fotos das pessoas". Apesar dos percalços, ela elogia a obra literária do filho. "Acho que ele vai ser cada dia melhor, porque tenho certeza que meu filho vai ser feliz".

O livro conta com duas artes elaboradas pelo desenhista Edmar Cosmo de Brito, 46, o Simpson, do 1V2M, criadas dentro da Penitenciária do Distrito Federal 1 (PDF1), conhecida como Cascavel, um dos presídios que integram a Papuda. O primeiro desenho, no começo da obra, mostra presos em uma cela com o subtítulo do livro acima: "No mundo da lua: atrás das grades"; e a frase "Retrato Carcerário".

  • 23/03/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Caderno aniversário de Ceilândia. Pollyanna Souza, coordenadora da Biblioteca Pública Carlos Drummond de Andrade em Ceilândia. Marcelo Ferreira/CB/D.A.Press
  • Livro "O Ressocializado" conta a rotina de Carlos Astro e outros cinco presos na Papuda Editora Viseu/Divulgação

Na trajetória de ressocialização de Astro, ele comenta o peso das palavras emprego, profissão e educação para quem pretende não voltar para o crime. "Eu me sinto honrado, pois vão estar sendo expostos alguns trabalhos meus e eternizados em um livro muito bom", emociona-se o artista, que agradece as colaborações que recebeu para publicar o livro. "São muitos anos de parceria, amizade e trabalho", afirma.

A Biblioteca Pública de Ceilândia Carlos Drummond de Andrade exibe o livro. A coordenadora pedagógica do espaço, Pollyanna Souza, 40, diz que se sente lisonjeada em receber a obra do artista, que considera uma raridade entre os detentos. "Para a nossa equipe é uma alegria ter um leitor e morador da comunidade local como escritor, e sua obra traz um novo significado para a sua história", opina. "Um frequentador da biblioteca que é exemplo de superação", alegra-se a gestora.

Pollyanna adianta que pretende fazer um evento com roda literária ou palestra de Astro para jovens da comunidade local. "Uma história como essa temos que disseminar, em que ele mostra a sua mudança de vida por meio da leitura e escrita", comenta a educadora. Experiência para ministrar projetos sociais é o que o grafiteiro mais adquiriu ao sair da prisão. Em 2006, ele participou do Clube da Ceilândia, juntamente com os rappers de São Paulo, Ndee Naldinho e Mano Brown, na ONG Rebelião Cultural, do grupo 1V2M.
"Reformamos as piscinas, demos aulas de capoeira, futebol, e eu dava aula de dança e arte urbana para 150 alunos de manhã e 150 à tarde", recorda Astro, que se diz 100% ressocializado. "A minha ressocialização é diária", diz. O grafiteiro critica a falta de investimento do governo federal em um programa para reinserir os presos na sociedade. "Nesse dinheiro todo, não temos nenhum valor voltado para a ressocialização", finaliza.

Um dos amigos de Astro na Papuda que conseguiu se reinserir na sociedade é o motoboy Janilson Amaral, 36. O morador do Sol Nascente saiu da prisão em 2010, mas foi preso novamente por tráfico de drogas cinco anos depois. "Quando a gente saiu, ele (Astro) ficou escrevendo o livro, e em fevereiro de 2021, quando saí de novo da penitenciária, ele já estava com o livro pronto", relata.

Janilson se recorda dos momentos que via de perto o processo de produção do livro de Astro dentro do Complexo Penitenciário. "Somos personagens desse livro, e foi um prazer saber que ele conseguiu essa vitória, porque acompanhei ele escrevendo em várias noites, quando chegava na cela e dizia que 'hoje aconteceu isso e aquilo'", detalha o amigo do escritor.

A consultora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), Isabel Figueiredo, acredita que a ressocialização vale para qualquer um, apesar da Política Nacional de Atenção às Pessoas Egressas do Sistema Prisional ser falha. "Consigo dizer que, de fato, a ressocialização não tem a importância que deveria ter na política criminal brasileira, porque temos uma lógica cruel, em que tudo que não gostamos transformamos em crime penal", analisa.

Para Isabel, que foi Secretária-adjunta de Segurança Pública da Paz Social do DF, entre 2015 e 2016, está no ser humano a capacidade de superação. "Criminalizando condutas a torto e a direita, acabamos tendo uma lógica que leva a essa situação de superencarceramento, em que colocamos na mesma cela o ladrão de galinha e o criminoso internacional", contextualiza a especialista do FBSP.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE