LITERATURA

Primeiro clube do livro de Brasília reúne mais de 40 anos de histórias

Formado por 24 mulheres, primeiro clube do livro oficial de Brasília nasceu em 1980. De lá para cá, as integrantes do projeto leram mais de 330 obras. Grupo tem estatuto registrado em cartório e promove encontros mensais para debate dos títulos

Edis Henrique Peres
postado em 12/05/2022 05:46 / atualizado em 16/05/2022 09:34
Desde a década de 1980, grupo reúne 24 participantes selecionadas por indicação ou sorteio -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Desde a década de 1980, grupo reúne 24 participantes selecionadas por indicação ou sorteio - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Apaixonadas por livros, 24 mulheres que se encontraram por acaso em um curso de atualização feminina na área de humanidades, em 1980, na Universidade de Brasília (UnB), mantêm viva até hoje a assiduidade com a leitura e com uma amizade que ultrapassa encontros mensais. O grupo fundou o primeiro e mais antigo clube do livro da capital federal, que surgiu da necessidade da manutenção do contato com um hobby e entre si mesmas.

À época, diversas ideias passaram pela cabeça das fundadoras, mas a que prevaleceu foi a de Amélia Couto. A iniciativa teve inspiração em projetos semelhantes que ela conheceu em viagem ao Peru. Mesmo após morrer, há cerca de uma década, o legado da idealizadora prevaleceu.

Nascido em 17 de março de 1980, o Clube do Livro nº 1 de Brasília tem estatuto registrado em cartório, diretoria eleita por biênio e o compromisso firme das integrantes com os encontros mensais. "Toda terceira segunda-feira do mês, nós nos encontramos. Chegamos com a leitura do próximo mês definida e, geralmente, às 14h30, conversamos sobre assuntos necessários do clube — como a arrecadação do dinheiro para a compra da obra seguinte — e estruturamos nossa ata. O convidado costuma aparecer às 15h, e o debate ocorre tarde adentro, até umas 17h ou mais", detalha a tesoureira do clube, Maria Pereira, 66 anos.

  • Amélia Couto, fundadora do clube, em um dos primeiros encontros do grupo, na década de 1980 Arquivo Pessoal
  • Encontro de debate do Clube de Leitura nº 1 de Brasília Arquivo Pessoal
  • Encontros literários incluem momentos de confraternização entre as participantes Fotos: Arquivo Pessoal
  • Da esquerda para a direita: Maria Inez Martins e Marilene Martins (em pé); Beatriz Maia Pinto, Maria Ignez Andrade e Neide Mossri (sentadas) Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • História do grupo une amizade e gosto pela leitura Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Beatriz Maia Pinto, 87, ajudou a fundar o clube e explica como tudo começou. "Somos sempre 24 mulheres, e a entrada de uma nova sócia é condicionada à saída de alguma integrante. Essa quantidade permite um número bom de pessoas para os debates", explica a moradora do Lago Sul.

Maria Ignez Andrade, 93, chegou ao grupo no quinto encontro, no primeiro ano de fundação do clube, e reconhece a ligação que cresceu dali. "Há uma amizade não só de reuniões, aniversários ou festas, mas algo sólido, construído por causa dos nossos encontros. Algumas (participantes) têm afinidade maior, e esse vínculo se faz presente em todos os momentos. Uma vez, perdi uma parente e estava no Rio de Janeiro. Foi incrível o apoio que eu recebi daqui (de Brasília), de longe. Inclusive, elas conseguiram agendar a missa do sétimo dia para mim. Então, é um clube em que estamos juntas muito além dos momentos felizes", detalha Maria Ignez.

Organização

Quarenta e dois anos depois, o clube leu 335 livros. Marilene Martins de Oliveira, 64, conta que as integrantes só interromperam os encontros nos dois primeiros anos da crise sanitária. "Quando nos preparávamos para comemorar quatro décadas de fundação, em 2020, decretaram a interrupção de todas as atividades. Tínhamos tudo planejado — convite e bufê —, mas a pandemia chegou e atrapalhou nossos planos. Agora, vamos comemorar o aniversário do clube em junho, com Brasília como tema especial", antecipa.

Além dos debates que ocorrem entre as próprias leitoras, eventualmente, convidados aparecem para enriquecer as discussões sobre as obras. "Tivemos a presença de vários escritores daqui do DF, como José Almeida Júnior (autor de O homem que odiava Machado de Assis), Maurício Gomyde (autor de Todo o tempo do mundo) além de psicólogos, médicos e professores de literatura, por exemplo", destaca Neide Mossri, 87. A escolha do tema da próxima reunião fica a cargo da sócia que recebe o grupo como anfitriã do mês.

Os gêneros variam, mas as participantes evitam obras de poemas e contos, devido à amplitude dos temas nas coleções desse tipo. A arrecadação dos valores para compra dos livros, bem como a negociação de descontos e prazos com as livrarias é responsabilidade da tesoureira. "Entrei porque minha sogra participava do grupo, e eu sempre ficava junto, escutando os debates. Ela sempre me indicava o que estava lendo. Um dia, surgiu a vaga, e ela me indicou. Geralmente, fazemos sorteio de nomes (de candidatas) sugeridos pelas sócias, mas, naquele dia, não havia outra concorrente. Então, comecei minha história com o clube", relembra Maria Pereira.

Memória

A paixão pelos livros e o desejo de compartilhar histórias une as integrantes do clube. Nenhuma delas é obrigada a participar dos debates, mas raramente há ausências ou obras com leitura inacabada. Esta semana, elas se debruçaram sobre Violeta, de Isabel Allende. No próximo mês, será a vez de Torto arado, de Itamar Vieira Junior. Entre os títulos que marcaram a trajetória do projeto e agradaram quase que unanimemente estão: A casa dos espíritos; Os catadores de concha; e A casa da água.

Além das experiências proporcionadas pelas páginas dos livros, há aquelas vividas pelo grupo, unido mesmo diante das adversidades. Enquanto leem as obras e costuram uma colcha de narrativas, as 24 integrantes eternizam histórias fictícias e verídicas, de personagens, de si próprias e em memória das pessoas queridas.

Sugestões de leitura

  • Evidência 7: segredo codificado, de Luciana Gnome:
    Quarto romance policial da escritora que envolve mistérios e enigmas em uma série de assassinatos na cidade do Rio de Janeiro. A inspetora da Polícia Civil, Val Ricci, atende um caso de homicídio em um motel na Barra da Tijuca, e uma pista incomum é coletada pela perícia: uma folha de árvore seca marcada com a sequência numérica 1178. Enfrentando um assassino engenhoso, Val não encontra alternativa a não ser encerrar o caso por falta de provas, até que a polícia descobre um novo corpo no porta-malas de um carro abandonado, com um nova folha seca e uma numeração diferente.

 

Evidência 7: segredo codificado, de Luciana Gnome:
Evidência 7: segredo codificado, de Luciana Gnome: (foto: Reprodução)

  • Medley ou os dias que aprendi a voar, de Kika Reis
    O ano é 1990 e Lola tem 15 anos. O que mais lhe interessa é nadar e ler, além de uma pergunta que nunca teve resposta: como foi que meu pai morreu? Nas férias, ela decide ir para uma cidade do interior, e o que era para ser só uns dias longe da mãe e do irmão vira a maior revolução da sua vida. Lá vão emergir não só memórias há muito esquecidas, mas novas partes dela mesma que Lola nem sabia que poderiam existir.

Medley ou os dias que aprendi a voar, de Kika Reis
Medley ou os dias que aprendi a voar, de Kika Reis (foto: Reprodução)

 


  • O sêmen do rinoceronte branco, de Cinthia Kriemler

Livro de contos que nasce de um fato verídico ocorrido em 2018, quando Sudan, o último rioncerante-branco do norte, morreu no Quênia aos 45 anos, por meio de eutanásia, em um santuário natural, e o seu material genético foi congelado para o futuro. Os contos falam sobre um permanente estado de injustiça social, incômodo e perseguição, construído com frases curtas e cortantes. A autora define: "Em março de 2018, foi extinto o rinoceronte branco do norte. Da extinção do Homem ainda não se sabe a data. Mas temos sido urgentes."

O sêmen do rinoceronte branco, de Cinthia Kriemler
O sêmen do rinoceronte branco, de Cinthia Kriemler (foto: Reprodução)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE