necropsia

Morte de onça-parda em Águas Emendadas não foi crime ambiental

O Ibram e a UnB afirmam que a onça não foi alvo de caça. No entanto, o resultado final da necropsia deve sair somente em 30 dias

Ana Luisa Araujo
postado em 12/05/2022 17:39
A necropsia do animal deve sair somente em 30 dias, de acordo com o Ibram e a UnB -  (crédito: Ricardo Marajó/Secretaria Municipal de Comunicação Social de Curitiba)
A necropsia do animal deve sair somente em 30 dias, de acordo com o Ibram e a UnB - (crédito: Ricardo Marajó/Secretaria Municipal de Comunicação Social de Curitiba)

O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) esclarece que a onça-parda encontrada morta na Estação Ecológica Águas Emendadas (Esecae) não foi alvo de caça. De acordo com informações preliminares dos exames realizados pela Universidade de Brasília (UnB), não foram encontrados sinais de morte violenta, assim como nenhum tipo de projétil no corpo do animal.

As informações, no entanto, são preliminares. O resultado final da necropsia deve sair em 30 dias, segundo o professor de medicina veterinária da Universidade de Brasília Márcio Botelho. A necropsia está sendo realizada a pedido do Instituto.

Sobre o caso

De acordo com o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), os profissionais do local faziam uma ronda motorizada quando encontraram o animal morto, próximo de uma cerca que limita a reserva.

No mesmo dia, o Hospital Veterinário da Universidade de Brasília foi acionado para levar o corpo da onça para necrópsia. A causa da morte não foi revelada ainda, mas o Ibram não descarta a possibilidade de crime ambiental.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE