ESQUELETOS DE BRASÍLIA

Obras abandonadas enfeiam a capital e colocam as pessoas em risco

Clubes, prédios, monumentos e hotéis. Espaços que já foram repletos de vida, sofrem com a depredação e o descaso. As lembranças de momentos felizes, festas e beleza ficaram na memória. Hoje, só abandono

 Renata Nagashima
postado em 23/05/2022 05:54 / atualizado em 23/05/2022 05:56
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A.Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A.Press)

Saguões de luxo ocupados por hóspedes da alta sociedade, clubes que recebiam as mais importantes personalidades da cidade, fábricas a todo vapor com operários circulando o tempo inteiro, hospitais renomados, que um dia foram lotados de pacientes, e espaços recreativos que hoje fazem parte, apenas, da memória afetiva de quem um dia teve a oportunidade de visitá-los. Essa é uma realidade que não existe mais em alguns pontos do Distrito Federal, que começa a colecionar esqueletos.

Academia de Tênis José Farani, Hotel Torre Palace, Clube Primavera, em Taguatinga, Escola Superior de Guerra (Ruínas da UnB), Estação de Trem Bernardo Sayão — antiga rodoferroviária, o Polo de Cinema e vídeo Grande Otelo e o Teatro da Praça, em Taguatinga, são alguns esqueletos de Brasília que o Correio visitou. Os motivos são vários: vão desde problemas judiciais, envolvendo herança e falência, ao descaso governamental.

Os prejuízos incluem a falta de segurança e de urbanização, até os problemas de saúde para quem vive ao redor desses imóveis.

A funcionária pública Suzana de Medeiros, 54 anos, mora na rua onde ficava a entrada do Clube Primavera. Hoje, o portão fechado é tomado pelo mato e incomoda quem vive ao redor. "Desde quando me mudei, a esperança era que um dia teríamos esse lazer ao lado de casa. Com o tempo, a esperança se tornou frustração e medo. Ninguém sabe o que vai sair dali de dentro", denuncia.

Prejuízos

O urbanista e especialista na arquitetura de Brasília Frederico Flósculo aponta que os prejuízos desses imóveis para a cidade são muitos e podem gerar impactos ainda maiores no planejamento urbano. "Todo mundo percebe que isso está errado, menos o governo. A resposta do problema não é uma coisa vaga e diz respeito à maneira enviesada que não se faz mais planejamento urbano", afirma o professor da Universidade de Brasília (UnB).

Apesar do esquecimento, há leis que dão autonomia ao governo local para tomar providências. Em 2021, o vice-governador Paco Britto, em exercício na ocasião, sancionou a Lei 6.911, que permita ao Distrito Federal impedir que imóveis abandonados, públicos e privados causem deterioração urbana — poluição e degradação ambiental, retenção especulativa de imóvel urbano que resulte na sua subutilização ou não utilização, exposição da população a riscos de desastres, ocorrência de fatores causadores de zoonoses, ociosidade urbana e aprofundamento de vulnerabilidades sociais.

Fiscalização

De acordo com a lei, o Distrito Federal pode utilizar os instrumentos urbanísticos previstos no Estatuto da Cidade — Lei Federal nº 10.257 — para assegurar a função social de imóvel urbano, sendo ele considerado bem vago ou não.

No entanto, Flósculo argumenta que as leis não são colocadas em prática por não ser financeiramente atraente para o Governo do Distrito Federal. "Essa lei é boa, mas é totalmente descontextualizada e, por isso, ela não vai ser aplicada. Ela nasceu para não vingar", aponta.

Ao Correio, o DF Legal disse, em nota, que nos casos em que o responsável é um órgão público, é enviado um ofício informando sobre as condições encontradas na unidade. "A partir daí, cabe a cada um tomar as providências cabíveis e as medidas para que os problemas sejam sanados no menor prazo possível". Procurado pela reportagem, o GDF não se posicionou sobre a aplicação da Lei nº 6.911 nos imóveis abandonados.

 


  •  02/05/2022. Cidades. Ruínas em Brasília. Local Clube Primavera.
    02/05/2022. Cidades. Ruínas em Brasília. Local Clube Primavera. Foto: Fotos: ED ALVES/CB/D.A.Press
  • Hotel Torre Palace, Estação Bernardo Sayão e Academia de Tênis
    Hotel Torre Palace, Estação Bernardo Sayão e Academia de Tênis Foto: Breno Fortes/CB/D.A Press
  • 02/05/2018. Credito: Breno Fortes/CB/D.A. Press. Brasil. Cidades. Prédios abandonados em Brasília. Foto aérea feita de drone do Torre Palace Hotel no Setor Hoteleiro Norte.
    02/05/2018. Credito: Breno Fortes/CB/D.A. Press. Brasil. Cidades. Prédios abandonados em Brasília. Foto aérea feita de drone do Torre Palace Hotel no Setor Hoteleiro Norte. Foto: Breno Fortes/CB/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE