PANDEMIA

Duas doses da CoronaVac não são suficientes contra ômicron, mostra estudo

Pesquisa também apontou que pessoas que se infectaram com outras variantes também não têm proteção contra a ômicron

Thays Martins
postado em 21/01/2022 10:26 / atualizado em 21/01/2022 10:28
 (crédito: B?rbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: B?rbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

Enquanto a variante ômicron vem causando recordes de casos de covid-19 no Brasil e no mundo, um novo estudo, publicado na revista Nature Medicine nesta quinta-feira (20/1), reforça a necessidade de uma terceira dose de vacina contra a doença.

Segundo o estudo, duas doses da vacina CoronaVac, usada no Brasil e em outros 47 países, não oferece proteção contra a ômicron. De acordo com a pesquisa, pessoas que tomaram duas doses do imunizante não produziram anticorpos neutralizantes contra a nova cepa.

Já ao tomarem uma dose de reforço da vacina da Pfizer, o número de anticorpos subiu para o mesmo daqueles que tomaram duas doses do imunizante. 

Além disso, os pesquisadores descobriram que pessoas que foram infectadas por outras variantes do coronavírus têm pouquíssima proteção contra a ômicron.

Os pesquisadores destacam que, para combater a variante, será necessário que a população mundial seja imunizada com pelo menos três doses da vacina. E países que usam a CoronaVac talvez seja necessário uma quarta dose para garantir a proteção.

Já um outro estudo preliminar, divulgado este mês, apontou que, apesar de perder anticorpos neutralizantes, a CoronaVac é eficaz contra a variante. Segundo o estudo, contra a ômicron, a vacina tem uma redução de neutralização de cerca de 12 vezes em relação à cepa original.

Em dezembro, a Sinovac, responsável pela vacina, informou que trabalha em uma atualização da Coronavac contra a ômicron. De acordo com a farmacêutica, a previsão é que até março ela esteja pronta.

No Brasil, a orientação do Ministério da Saúde é que a dose de reforço seja aplicada quatro meses após a segunda dose em todos com mais de 18 anos, independentemente de qual vacina tomou. A preferência é que a vacina da Pfizer seja usada como terceira dose.

De acordo com o Ministério da Saúde, a opção por essa vacina levou em consideração estudos que sugerem que a combinação de diferentes imunizantes na terceira dose aumenta a resposta imunológica do organismo. Uma pesquisa feita pela Universidade de Oxford indicou que a terceira dose da Pfizer aumenta em até 175 vezes a produção de anticorpos neutralizantes, que são capazes de bloquear a entrada do vírus nas células.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE