Justiça

Kaya Scodelario, de Maze Runner, revela assédio de diretor em teste para filme

O comentário da atriz nas redes sociais surgiu após relatório divulgado conter acusações de 20 mulheres sobre o ator e diretor Noel Clarke

Victória Olímpio
postado em 30/04/2021 16:34
 (crédito: Reprodução)
(crédito: Reprodução)

A atriz Kaya Scodelario, famosa por participar de Maze Runner e Skins, compartilhou nas redes sociais que um diretor de Hollywood já havia oferecido a ela um papel no filme caso ela ficasse nua na frente dele. A revelação no Twitter ocorreu após relatório publicado pelo The Guardian contendo acusações de 20 mulheres sobre o ator e diretor Noel Clarke.

Segundo as acusações, as mulheres alegam ter um histórico repetido de assédio sexual, além de bullying, entre os anos de 2004 e 2019. Na publicação, a atriz não revelou sobre o diretor: "Fiz uma audição para um emprego há alguns anos. Dizia 'ela só precisa entrar. Tire a roupa e pronto'. Eu estava apavorada. Felizmente, tenho um agente que disse rapidamente que isso não aconteceria de maneira nenhuma. Este foi um grande filme. Um grande diretor. Uma grande 'oportunidade'".


"Elenco diferente, entre eu e outra atriz. Ambos trabalharam muito para impressionar esse diretor notoriamente difícil. Ele mandou um e-mail para nossos agentes 'quem concordar em ficar nu primeiro consegue o emprego'. O filme não continha nudez. Ele só queria ver quem diria sim", contou ainda a atriz.


Scodelario ressaltou também sobre atores mais novos que também poderiam passar por uma situação como essa: "Muitos jovens atores não têm a rede segura de um agente atencioso para protegê-los. Eles presumirão que é normal que uma atriz valha a pena ser medida pelo corpo que têm. Pela quantidade de pele que desejam mostrar. Fomos condicionados a acreditar nisso".


Por fim, a atriz falou sobre a ansiedade de estar postando sobre a situação e parabenizou as mulheres que tiveram a coragem para denunciar o diretor: "Vou acordar de manhã ansiosa por twittar. Apesar de não ter citado nomes. Eu ainda vou sentir medo. As mulheres que se apresentam abertamente são tão corajosas. Estou maravilhado com todos vocês. Obrigada. Obrigada. Obrigada".

De acordo com o jornal, Clarke negou as acusações: “Em uma carreira de 20 anos, coloquei a inclusão e a diversidade na vanguarda do meu trabalho e nunca tive uma reclamação feita contra mim. Se alguém que trabalhou comigo alguma vez se sentiu incomodado ou desrespeitado, peço desculpas sinceramente. Eu nego veementemente qualquer má conduta sexual ou delito e pretendo me defender contra essas falsas alegações”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE