Cinema

Marieta Severo será homenageada na 25ª edição do Inffinito Film Festival

O evento é um dos mais importantes festivais brasileiros realizado no exterior. Marieta Severo receberá homenagem dedicada à obra dela na telona

Victória Olímpio
postado em 30/08/2021 13:03
 (crédito: Divulgação)
(crédito: Divulgação)

A 25ª edição do Inffinito Film Festival, um dos maiores e mais importantes festivais de cinema brasileiro realizado no exterior, irá homenagear a atriz Marieta Severo, com uma mostra especial. Seis filmes estrelados pela atriz serão exibidos no Brasil e em todo o território americano, de Porto Rico ao Alasca.

Os filmes escolhidos foram A dona da história, de Daniel Filho; Carlota Joaquina, princesa do Brasil, de Carla Camurati; Cazuza: o tempo não para, de Walter Carvalho e Sandra Werneck; Com licença, eu vou à luta, de Lui Farias; Vendo ou alugo, de Betse de Paula; e o mais recente longa, Noites de alface, de Zeca Ferreira.

Marieta Severo foi a primeira convidada da primeira edição do festival, em 1997, e apresentou em Miami o então recém-lançado Carlota Joaquina, de Carla Camurati, filme-símbolo da retomada do cinema pós-governo Collor. Agora, 25 anos depois, as diretoras da Inffinito, Adriana L. Dutra, Cláudia Dutra e Viviane Spinelli homenageiam a atriz, que tem em sua filmografia 34 longas-metragens.

"A Marieta representa a força do cinema brasileiro. A força da retomada, simbolizada pelo filme Carlota Joaquina, e também a força feminina, com papéis tão marcantes e potentes. Pra gente é uma honra levar a obra da Marieta para todos os Estados Unidos e também para o público brasileiro, numa mostra on-line gratuita”, diz Adriana L. Dutra.

O evento

O Inffinito Film Festival, que começa no dia 4 de setembro e vai até dia 18 do mesmo mês, terá uma extensa programação, em formato híbrido, com exibições de filmes e shows presenciais ao ar livre em Nova York e Miami e sessões de cinema on-line no site.

Marieta também irá participar de uma live, em 14 de setembro, às 20h, no Instagram oficial da Inffinito, e conversa com Adriana L. Dutra sobre a cultura no Brasil, a vida, carreira e trajetória no cinema brasileiro nesses últimos 25 anos.

Programação

Os filmes ficam disponíveis por 24 horas a partir das seguintes datas:

5 de setembro (domingo), às 23h - Vendo ou alugo

Bisavó, avó, mãe e filha dividem uma casa luxuosa que não podem mais manter, e pela proximidade da favela, também não conseguem vender ou alugar. Possíveis compradores vem ver a casa. Durante a visita começa um tiroteio, deixando todos encurralados. Diante da ameaça de vida, pequenos pecados são revelados e situações tragicômicas tomam forma.

9 de setembro (quinta-feira), às 23h - Carlota Joaquina, princesa do Brasil

Um painel da vida de Carlota Joaquina, a infanta espanhola que conheceu o príncipe de Portugal com apenas dez anos e se decepcionou com o futuro marido. Sempre mostrou disposição para seus amantes e pelo poder e se sentiu tremendamente contrariada quando a corte portuguesa veio para o Brasil, tendo uma grande sensação de alívio quando foi embora.

10 de setembro (sexta-feira), às 23h - A dona da história

Carolina está em crise e passa a questionar seu percurso, suas ações e expectativas. Através de um confronto e diálogo com a jovem que foi aos 18 anos, ela revive os sonhos do passado e as possibilidades de ter seguido outros rumos. Na maturidade, Carolina tem o privilégio de rever a sua própria história e se reencontrar no que foi, no que não foi e no que poderia ter sido.

11 de setembro (sábado), às 23h - Cazuza: O tempo não para

A vida louca que marcou o percurso profissional e pessoal de Cazuza, do início da carreira, em 1981, até a morte em 1990, aos 32 anos: o sucesso com o Barão Vermelho, a carreira solo, as músicas que falavam dos anseios de uma geração, o comportamento transgressor e a coragem de continuar a carreira, criando e se apresentando, mesmo debilitado pela Aids.

16 de setembro (quinta-feira), às 23h - Noites de alface

Ada (Marieta Severo) e Otto (Everaldo Pontes) passaram a vida toda em uma bucólica cidade no interior, onde todos se conhecem. A rotina pacata do casal e de seus vizinhos ganha contornos de mistério com o sumiço repentino do carteiro.

17 de setembro (sexta-feira), às 23h - Com licença, eu vou à luta

Mãe, pai, avó, filho e filha fazem parte de uma família de classe média espremida em um pequeno apartamento em Nilópolis, subúrbio do Rio de Janeiro. Eliane é uma adolescente de quinze anos e contra a vontade da mãe, insiste em namorar Otávio, um homem de trinta e três. O filme trata com humor e drama, a neurótica relação de uma família envolta com a possibilidade da perda da virgindade da filha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE