Filme

Kauan Ceglio conta como foi interpretar irmão de Suzane Von Richthofen

"Fiquei chocado com tamanha crueldade", contou o ator, que estreou no cinema no papel de Andreas Von Richthofen

Victória Olímpio
postado em 11/11/2021 13:34
 (crédito: Amazon Prime/Reprodução)
(crédito: Amazon Prime/Reprodução)

Após grande sucesso dos filmes O menino que matou meus pais e A menina que matou os pais, o ator Kauan Ceglio contou sobre a experiência de interpretar Andreas Von Richthofen. Os filmes contam a história do crime em que Suzane Von Richthofen arquitetou o assassinato dos pais, Manfred e Marísia, em 2002.

Os longas trazem duas versões, um com Suzane, interpretada por Carla Diaz, narrando como tudo aconteceu, e outra com a versão do namorado, Daniel Cravinhos, vivido por Leonardo Bittencourt. Ceglio, que deu vida ao irmão da moça, falou sobre a produção em entrevista ao Estrelando.

O ator de 15 anos deu detalhes sobre a visão de Andreas nas versões das histórias e falou sobre o desafio de interpretar uma história que é baseada em fatos reais: "Fiquei chocado com tamanha crueldade, mas sempre acreditei que histórias como essa devem ser lembradas para não serem repetidas".

"Eu conheci a história na época dos testes para os filmes, quando os meus pais me contaram o caso, para saber se eu tinha interesse em participar do teste. O maior desafio era a concentração em cena, pois estávamos gravando dois filmes com visões diferentes ao mesmo tempo, isso necessita de muita atenção de todos", explicou.

"Por ser uma história real, além de muito respeito, tivemos que ter muito estudo para sermos fiéis ao que foi relatado. A ideia inicial era fazer apenas um filme. No entanto, foi decidido gravar os dois, por causa dos diferentes depoimentos do crime. Iniciamos as gravações com dois roteiros. As histórias são controversas, porém nas duas versões o Andreas é relatado da mesma forma", continuou.

Ceglio contou que precisou fazer aulas de aeromodelismo para cenas reais de voo nos filmes: "A experiência de poder aprender a pilotar aeromodelos e dirigir mobilete sem dúvida ficou marcada. O elenco tinha uma ótima interação e sintonia, que foram essenciais nas gravações".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE