Encontro de rainhas

Beyoncé lança remix de 'Break my soul' com Madonna; saiba como ouvir

'The Queens Remix' está à venda por US$ 1,29 (R$ 6,66) e é entregue ao comprador por e-mail, em formato .wav, que garante maior qualidade ao ouvinte

Talita de Souza
postado em 05/08/2022 20:34
A 'Queen of Pop' e a 'Queen B' dividem os vocais no remix de 'Break My Soul' -  (crédito: Instagram @beyonce/Instagram @madonna)
A 'Queen of Pop' e a 'Queen B' dividem os vocais no remix de 'Break My Soul' - (crédito: Instagram @beyonce/Instagram @madonna)

Primeiro single do álbum Renaissance de Beyoncé,  Break My Soul ganhou, nesta sexta-feira (5/8), um remix oficial com a Rainha do Pop, Madonna. Apelidado pela cantora de The Queens Remix, a faixa não está disponível em nenhuma plataforma de streaming. Os interessados em ouvir duas das maiores vozes do pop juntas devem comprar a faixa pelo site oficial da Beyoncé.

The Queens Remix está à venda por US$ 1,29 (R$ 6,66) e é distribuído seguindo três regras: cada pessoa pode fazer apenas uma compra da faixa, a música será entregue por e-mail e terá o formato .wav, que garante maior qualidade para o ouvinte.

O pagamento pode ser feito de maneira facilitada pelas plataformas Paypal ou Shop Pay, mas também é possível preencher um cadastro e inserir os dados de um cartão.

A parceria é vista como mais um acerto de Beyoncé, que foi aclamada por trazer um álbum inspirado no Vogue, um estilo de dança originado, principalmente, pela cultura artística da comunidade LGBTQIA+ vivenciada nos chamados Ballroom, em Nova York, nos EUA, nos anos 80.

Símbolo de resistência, o Vogue marcou uma era na qual a comunidade se unia, criava cada vez mais identidade cultural e se fortalecia em uma década em que o surgimento do HIV marginalizou gays, transexuais e travestis por ser erroneamente denominado como “peste gay”.

Na época, havia espaços em que eram feitas as festas do estilo musical, e grupos de dança do estilo, que acabavam tornando-se famílias para os jovens LGBTs — tanto que eram chamadas de "Casas". 

Na faixa lançada por Beyoncé e Madonna, Bey declama o nome de algumas das casas mais tradicionais que consolidaram o movimento, como a Casa de Xtravaganza. José Gutierrez, que foi o pai da Casa de Xtravaganza, conheceu Madonna, a convidou para um Ballroom e a apresentou ao Vogue.

O movimento impactou a artista, que pediu para José se tornar coreógrafo dela. Vogue, aliás, é o nome de uma das canções mais famosas de Madonna, feita pela cantora para eternizar esse estilo e homenagear a comunidade. Pelo simbolismo e pioneirismo da Rainha do Pop, o remix proposto por Beyoncé coroa ainda mais o legado Vogue.

Antes mesmo do lançamento de Renaissance, Beyoncé afirmou que o álbum é dedicado à família e também aos fãs LGBTQIA+. "Obrigado a todos os pioneiros que originaram a cultura, a todos os anjos caídos cujas contribuições não foram reconhecidas por muito tempo. Esta é uma celebração para vocês", escreveu a cantora.

Com o anúncio do remix, o nome de Madonna se tornou o assunto mais comentado do Twitter no Brasil. Os usuários da rede social comentaram com expectativa a parceria entre as duas cantoras.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE