Artes cênicas

Hélio de la Peña reflete sobre racismo em stand up commedy

Helio de la Peña traz a Brasília o stand up Preto de Neve, espetáculo no qual fala sobre a própria vida

Helio de la Peña, que faz o stand up commedy Preto de Neve -  (crédito: Ana Quintella)
Helio de la Peña, que faz o stand up commedy Preto de Neve - (crédito: Ana Quintella)
postado em 08/03/2024 07:00 / atualizado em 08/03/2024 10:25

Hélio de la Peña fez a primeira apresentação de Preto de Neve no Clube Minhoca, em São Paulo, em outubro de 2022 e não parou mais. A ideia nasceu timidamente, em 2018, quando passou a participar de um coletivo de artistas chamado Coisa de Preto. De lá para cá, o stand up do ex-Casseta & Planeta faz rir plateias com o espetáculo que traz ao Teatro de Águas Claras, nesta sexta-feira (8/3), às 21h.

A intenção do espetáculo é divertir a plateia e provocar boas gargalhadas. "Falo de como é ser um preto sempre exceção, o único proprietário de uma casa num condomínio de luxo no Leblon, como é ser o único preto em ambientes elitizados, inclusive minhas trapalhadas numa estação de esqui. Falo da vida na 'melhor idade'- melhor pra quem, não sei. Falo como é ser um humorista de águas abertas...e ainda trago alguns bastidores inéditos do tempo do Casseta & Planeta", conta deLa Pena, que conversou com o Correio sobre usar o humor para falar de racismo.

Entrevista // Helio de la Peña

Humor é a linguagem adequada para tratar de questões delicadas como o racismo?

Não sei se é a linguagem ideal, mas é a que uso. O humor é a minha arma, meu recurso para divertir as pessoas, ao mesmo tempo que uso para provocar algumas reflexões. Não sei fazer de outra forma. Tenho certeza de que as pessoas que vão ao meu show são meus aliados na luta contra o racismo, ou não frequentariam o show de um preto. Falo de situações que passei, mas não é um show panfletário. O humor alivia a tensão de um tema pesado. Acho que a pessoa pode rir primeiro e pensar depois quantas situações absurdas as pessoas pretas passam.

Qual a importância da interação com o público?

Passei 20 anos entrando na casa das pessoas, divertindo o público sem que ele me conhecesse além da telinha. Agora estamos ali, cara a cara, estou sem figurinos e maquiagens, falando da minha vida. E fazendo graça ali na frente da pessoa, na cidade dela. Procuro criar um ambiente descontraído para que as pessoas voltem para casa mais felizes do que chegaram. Mas não tem "povo fala", não pego ninguém da plateia para fazer piada. Podem sentar na primeira fileira sem medo.

O Casseta e Planeta está presente no espetáculo? Como?

Foram 20 anos de sucesso, o público espera matar a saudade do programa, mas não levo nenhum personagem para o palco. Por outro lado, conto causos de bastidores, de fãs, de situações que vivi com meus amigos Cassetas não só na época do programa como antes, quando tínhamos apenas um jornal ou uma revista. Tenho certeza de que quem assistiu ao programa vai curtir muito. Agora, o melhor: quem nunca viu o Casseta & Planeta, Urgente! também dará boas gargalhadas. O pai pode levar o filho, o filho pode levar o pai, a família toda vai se divertir. O show é para maiores de 16 anos, mas pais irresponsáveis também são bem-vindos. O que eles vão conversar em casa depois não é problema meu.

Serviço

Preto de Neve

Com Helio de la Peña. Nesta sexta-feira (8/3), às 21h, no Teatro de Águas Claras. Ingressos: R$ 40

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação