Câmara

Preocupado com pauta econômica, Lira procura Bolsonaro e Guedes

Presidente da Câmara teme que a prisão do deputado Daniel Silveira atrapalhe o andamento de pautas como a volta do auxílio emergencial

Marina Barbosa
postado em 18/02/2021 12:46 / atualizado em 18/02/2021 12:49
 (crédito: Luis Macedo/CB/D.A Press)
(crédito: Luis Macedo/CB/D.A Press)

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), está preocupado com o andamento da pauta econômica agora que os deputados estão debruçados sobre a prisão de Daniel Silveira (PSL-RJ). Por isso, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro e, também, entrou em contato com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para tratar do assunto nesta quinta-feira (18/2).

Lira se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada nesta manhã. O compromisso não constava na agenda oficial das autoridades e tratou da pauta da Câmara dos Deputados, que prometia destravar a agenda econômica e a retomada do auxílio emergencial a partir desta semana, mas agora precisa deliberar sobre a prisão de Daniel Silveira.

Segundo aliados de Lira, há uma preocupação de que o episódio envolvendo o deputado bolsonarista contamine o ritmo da agenda econômica. Alguns parlamentares defendem, então, que é preciso dar uma resposta rápida ao assunto, o que possivelmente envolve a confirmação da prisão de Daniel Silveira e requer que o presidente Bolsonaro continue em silêncio sobre a situação do seu aliado, para que o Legislativo retome o foco econômico.

Há a percepção, no entanto, que o governo precisa avançar com as propostas que vão permitir a retomada do auxílio emergencial, como a PEC do Pacto Federativo e a PEC Emergencial. Por isso, Lira já telefonou para o ministro Paulo Guedes. Lira e Guedes também devem tratar do assunto em almoço com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), nesta quinta-feira.

Novo auxílio

Como mostrou o Correio, Pacheco e os líderes partidários do Senado querem dissociar a pauta econômica da prisão de Silveira. A ideia continua sendo aprovar o novo auxílio em até três semanas, para que o benefício seja pago a partir de março. Por isso, o Senado pode pautar para a próxima semana as propostas relativas ao auxílio emergencial. A votação só depende da apresentação dos pareceres da PEC Pacto Federativo e da PEC Emergencial por parte do senador Marcio Bittar (MDB-AC), que também se reúne com o ministro da Economia nesta quinta-feira.

Bittar vai se encontrar com Guedes no Ministério da Economia, acompanhado do governador do Acre, Gladson Cameli (PP), e da presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputada Flávia Arruda (PL-DF). Ao Correio, Flávia Arruda já garantiu que não vai mudar o cronograma da CMO, que prevê a aprovação do Orçamento até o fim de março, por conta da prisão de Daniel Silveira. Ela explicou que "o país não pode mais esperar”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE