COMBUSTÍVEIS

Silva e Luna diz que Petrobras "não tem lugar para aventureiro"

Sem citar troca no comando da estatal, general discursou nesta terça-feira (29/3) para militares e disse também que a empresa não pode fazer políticas públicas ou partidárias

Victor Correia
postado em 29/03/2022 12:50 / atualizado em 30/03/2022 09:45
 (crédito: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(crédito: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

Sem citar a decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL) de demiti-lo, o ex-presidente da Petrobras general Joaquim Silva e Luna discursou sobre a estatal em evento nesta terça-feira (29/3) e disse que a estatal "não tem lugar para aventureiro".

A fala foi dada em palestra durante o 2° Seminário O Brasil em Transformação, realizado nas novas instalações da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados da Justiça Militar da União (Enajum), inauguradas também nesta terça.

"Está bem cuidada, tem uma governança muito forte. Não tem espaço para um aventureiro", afirmou Silva e Luna à plateia, composta por juízes da justiça militar, entre militares e civis.

Ao comentar o aumento nos combustíveis, ele mencionou o Preço de Paridade de Importação. "A PPI é política de preços para importação e é apenas uma referência, pelo amor de Deus. Nós ficamos 57 dias sem alterar os preços dos combustíveis. Nós informamos ao governo, deu toda essa confusão."

A saída do general da presidência da Petrobras foi confirmada na noite de ontem (28) pelo Planalto. Quem o substitui é Adriano Pires, o atual diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). Apesar da decisão, Silva e Luna foi apresentado no evento de hoje como presidente da estatal e não mencionou sua saída do cargo.

"A Petrobras deve atuar como uma empresa privada e deve praticar preço do mercado conforme a legislação vigente. Se o acionista majoritário quiser que faça outro preço, que o faça e, então, ressarce a empresa. Foi o que aconteceu com a greve dos caminhoneiros em 2018", afirmou o ex-presidente.

Política pública e partidária

Silva e Luna disse ainda que a estatal não pode fazer política pública e muito menos política partidária. Na palestra, ele defendeu que não há monopólio do setor de combustíveis no Brasil e revelou que o tabelamento de preços dos combustíveis causou R$ 40 bilhões em perdas para o país entre 2010 e 2015, principalmente por investidores.

"O mercado vai ficar com medo de intervenções nos preços da empresa. Como eu vou investir em um país que não tem estabilidade?", finalizou.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE