D10s

Casagrande e Galvão lamentam morte e histórico de drogas de Maradona

Em depoimento à Globo, Casagrande e Pelé falaram sobre "a pior das batalhas" do ídolo argentino e lamentaram a perda

Correio Braziliense
postado em 25/11/2020 15:15 / atualizado em 25/11/2020 15:25
 (crédito: Kleber Lima)
(crédito: Kleber Lima)

 O ex-jogador e, atualmente, comentarista Walter Casagrande chorou ao vivo ao falar sobre a morte de Diego Maradona no programa Jornal Hoje, da Rede Globo. O profissional emocionou a audiência ao lembrar do passado de ambos, que tiveram bastante em comum, inclusive a luta contra a dependência química. “Joguei na mesma época que ele na Itália, com o irmão dele, tive bastante contato. Sempre me tratou muito bem. Sempre tive essa preocupação com o problema da dependência química, que eu também tenho e me tratei”, lembrou.

"Sempre fiquei revoltado com quem estava ao redor dele. Quem está ao redor está vendo que ele está indo para o fundo do poço, destruindo a vida dele. E ninguém faz alguma coisa para evitar isso? Eu fico chocado pela perda de um grande jogador, um cara que conheci e gostava muito. Eu sofro muito quando morre um dependente químico. É muito duro”, prosseguiu. Maradona foi homenageado por diversos atletas e clubes de futebol.

Galvão Bueno também lamentou a morte no Jornal Hoje. "Estou chocado, como quem ama o futebol, como quem vive do futebol, do esporte, ou como qualquer cidadão que aprecia a magia, a beleza. O Maradona, a cada momento, produzia uma obra de arte, mas, se dúvida nenhuma, a Copa de 86 foi o grande momento de Maradona. O tempo que ele jogou no Napoli, as partidas na seleção argentina... É muito difícil destacar um grande momento de Maradona, porque o Diego virou 'El Diez', o dez, que, para muitos argentinos, virou deus”, disse.

O narrador também recordou o histórico de problemas do ex-jogador com as drogas. “Ele teve várias vestimentas. Sempre muito contraditório, polêmico, fiel às suas convicções. Ele sempre foi um grande amigo dos amigos e inimigo implacável contra seus inimigos. De tantas guerras que ele disputou, é impossível não dizer que ele perdeu a maior delas. Perdeu para o inimigo mais terrível. Dentre tantas vitórias que teve, sofreu uma grande derrota quando perdeu a guerra para as drogas”, lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE