Vídeo

Com covid-19, presidente da República Tcheca faz solenidade dentro de 'jaula'

Mesmo infectado, ele precisou participar presencialmente da nomeação de Petr Fiala, como primeiro-ministro do país

Isabel Bernardes - Estado de Minas
postado em 28/11/2021 16:44
 (crédito: Roman VONDROUS / POOL / AFP)
(crédito: Roman VONDROUS / POOL / AFP)

De cadeiras de rodas e com COVID-19, o presidente da República Tcheca, Milos Zeman, nomeou Petr Fiala como primeiro-ministro do país neste domingo (28/11). A cerimônia, porém, foi muito incomum, pois Zeman precisou ficar em uma barreira de plástico, longe dos demais participantes.

A cerimônia aconteceu na casa de Zeman, no castelo de Lany (ao oeste de Praga) e foi transmitida ao vivo na televisão. Veja:

Milos Zeman foi diagnosticado com a infecção na quinta-feira (25/11) e precisou de tratamento, sendo encaminhado para o Hospital Militar de Praga. Ele teve alta, entretanto, ainda está com COVID-19 e transmitindo a doença. 

Apesar disso, uma estrutura foi montada na sala da cerimônia e Zeman permaneceu dentro dela enquanto fazia a solenidade. Ao terminar, foi retirado por uma pessoa equipada, da cabeça aos pés.

Ele precisou participar do momento, pois é obrigação do presidente confirmar a indicação do Parlamento, de acordo com a Constituição local.

Milos Zeman disse que tem a intenção de se reunir com os futuros ministros antes de 13 de dezembro, "para preparar a nomeação do Governo a partir dessa data".

O novo primeiro-ministro uniu seu partido ODS a dois partidos menores para formar a aliança Juntos, que ficou em primeiro lugar nas eleições gerais do mês passado.

'Juntos' derrotou por uma margem pequena o movimento ANO do bilionário primeiro-ministro Andrej Babis e depois uniu forças com outros dois partidos de centro: o antissistema Partido Pirata e 'Prefeitos e Independentes'.

Os cinco partidos controlam 108 das 200 cadeiras do Parlamento e decidiram a composição do futuro governo, além de uma declaração de política geral.

Fiala, um ex-cientista político, enfrentará a tarefa de lidar com uma das maiores taxas de infecção por COVID do mundo, incluindo um caso da nova variante ômicron.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE