Guerra no leste europeu

Rússia anuncia segunda fase da invasão à Ucrânia: combate em Donbass

Russos querem criar um corredor até a Crimeia, península anexada em 2014. Londres prevê combates até o fim do próximo ano

Rodrigo Craveiro
postado em 23/04/2022 06:00
 (crédito: Genva Savilov/AFP)
(crédito: Genva Savilov/AFP)

Enquanto mantinha, ontem, os bombardeios contra o leste da Ucrânia, a Rússia anunciava o plano de capturar o sul da ex-república soviética e o Donbass — região controlada parcialmente pelos separatistas pró-Kremlin. Uma mudança de estratégia que pode arrastar por ainda mais tempo a guerra, que completará dois meses amanhã. "Desde o início da segunda fase da operação especial, um dos objetivos do Exército russo é estabelecer o controle total sobre o Donbass e o sul da Ucrânia", declarou o general Rustam Minnekayev, subcomandante das forças do distrito militar do centro da Rússia.

De acordo com ele, isso permitiria a abertura de um corredor terrestre até a Península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014. A tomada do sul da Ucrânia teria reflexo sobre a Transnístria, uma parte da Moldávia ocupada pelos separatistas russos. Minnekayev disse que a área tem registrado "casos de opressão da população de língua russa". Ao ser questionado pelos jornalistas sobre quais territórios do sul da Ucrânia estariam nos planos de domínio de Putin, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a fornecer detalhes.  

O anúncio do general coincide com uma estimativa feita pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de que a guerra dure até o fim do próximo ano. "É uma possibilidade realista, sim, claro. (O presidente russo Vladimir) Putin tem um exército enorme. Ele cometeu um erro catastrófico, e a única opção que tem agora é continuar tentando (...) esmagar os ucranianos", declarou. Londres prevê enviar tanques para a Polônia, a fim de ajudar a Ucrânia.

Por sua vez, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, se reunirá com Putin, em Moscou, na terça-feira, antes de visitar Kiev, também na próxima semana. Guterres instou a Rússia e a Ucrânia a seguirem quatro dias de trégua humanitária, em respeito à Páscoa Cristã Ortodoxa, a partir de 21 de abril. O pedido foi ignorado. A ONU informou que o Exército russo pode ter cometido "crimes de guerra". "As Forças Armadas russas bombardearam de maneira indiscriminada áreas residenciais, mataram civis e destruíram hospitais, escolas e outras infraestruturas civis, em ações que poderiam constituir crimes de guerra", declarou Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Um dos comandantes do controverso Batalhão de Azov em Kiev, o major Vladyslav Sobolevskyi (leia Três perguntas para), 33 anos, desqualificou o plano de Putin. "Não compreendo como eles (russos) poderiam tomar a cidade portuária de Odessa. Não vejo tanto poderio militar da Rússia nem mesmo para capturar Zaporizhzhya. Essa estratégia de Putin é muito mais política e midiática do que sobre a guerra real", afirmou ao Correio

O militar garante não temer a morte. "Esta é a nossa terra. Meus filhos têm que viver aqui, e meus acenstrais me deram essa terra. Não tenho outro lugar. É por isso que não tenho medo nenhum da guerra", disse. Sobolevski acredita em uma vitória da Ucrânia. "No mito bíblico de Davi e Golias, sabemos que Davi derrotou um inimigo mais poderoso com suas habilidades. Nós venceremos a Rússia."

Realidade

Para Anton Suslov, especialista da Escola de Análise Política (naUKMA), em Kiev, o corredor ligando o Donbass e a Crimeia é uma realidade. "Ainda que os russos controlem quase todo o território de Kherson, o Exército ucraniano empurrou a linha de fogo do distrito de Kryyyi Rih para toda aquela região e libertou 15 localidades. As batalhas prosseguem no sudoeste de Kherson", explicou à reportagem. Suslov acha pouco provável que Moscou consiga implementar o seu plano de conquistar o sul e o leste. "Mesmo em Kherson e em Zaporizhzhya, onde o Exército russo assegura ter domínio, ele não pode se impor em todo o território por questões logísticas e militares, além da resistência civil dos ucranianos. O cumprimento dos objetivos expostos pelo general Minnekayev será algo difícil."

Olexiy Haran, professor de política comparativa da Universidade Nacional de Kiev-Mohyla, admitiu que não era novidade a estratégia da Rússia de estabelecer um corredor entre a Crimeia e o Donbass. "Basicamente, há um plano oficial do Kremlin para tomar os territórios da Transístria e do leste da Ucrânia, não apenas no âmbito militar, mas também no político. O presidente do Duma (Parlamento russo), Vyacheslav Volodin, afirmou hoje (ontem) que Moscou está retomando os seus territórios. Mas, penso que a captura dessas duas regiões não será algo possível", disse ao Correio.

Pela primeira vez, a Rússia reconheceu, ontem, baixas militares no naufrágio do cruzador russo "Moskva", símbolo da frota do Mar Negro, em 14 de abril. "Um soldado morreu e 27 tripulantes foram declarados desaparecidos", enquanto outros 396 foram resgatados, informou o Ministério da Defesa russo.

Três perguntas para

Major Vladyslav Sobolevskyi, 33 anos, um dos comandantes do Batalhão de Azov em Kiev

Major Vladyslav Sobolevskyi, 33 anos, um dos comandantes do Batalhão de Azov em Kiev
Major Vladyslav Sobolevskyi, 33 anos, um dos comandantes do Batalhão de Azov em Kiev (foto: Arquivo pessoal )

Como vê o anúncio de Putin sobre a tomada de Mariupol?

Trata-se de um erro horrível. Mariupol não foi tomada pelos russos. Temos soldados dentro da siderúrgica Azovstal. Nossos homens lá têm condições de combater talvez por duas ou três semanas. Nós podemos, inclusive, organizar ajuda para nossos soldados.

As forças russas encontrarão forte resistência no Donbass?

Creio que veremos grandes combates no Donbass, entre um e três meses. Serão os maiores desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Não prevejo o que acontecerá, mas o que sei é que todos os ucranianos lutarão por cada metro de nossa terra. Estamos prontos para contra-atacar Putin e as forças russas no Donbass. Mantemos boas posições e temos muito poder. É o que precisamos.

Putin acusa o Batalhão de Azov de ser neonazista. O que tem a dizer sobre isso?

Não somos neonazistas. Somos apenas patriotas comuns em nossa terra. Tudo o que vocês escutam sobre nossas posições políticas é uma operação psicológica da Federação Russa. Se você disser que o Azov é neonazista, então, todos os ucranianos são neonazistas. Temos apenas um país nazista na Europa: a Rússia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE